“Da ficção científica metafísica…” Jean-Marc Parr no cartaz de “La Corde”, nova série da Arte

Arte continua a liderar o caminho em termos da série original. depois de vigilânciaaqui sem curdo, uma série de três episódios que começa nesta quinta-feira à noite no Arte. Atrás das câmeras, encontramos Dominique Rocher, um jovem e ambicioso diretor, dirigindo um elenco internacional, incluindo Jean-Marc Parr. sem curdo Conta a história de cientistas isolados em uma base na Noruega que descobrem uma misteriosa corda se afogando na floresta. Alguns decidem continuar…

Série muito ambiciosa.

Fiquei muito surpreso e feliz que Arte estava procurando algo um pouco menos tradicional. É uma espécie de ficção científica metafísica, como um filme Solaris por Andrei Tarkovsky. Há uma ressonância metafísica porque cada personagem que segue a corda deve aceitar seu próprio destino. Isso destaca as suspeitas de todos, seja nos cônjuges, por doença ou luto. É uma corda sem Final feliz, Mas é sobretudo uma criação que permite que cada pessoa tenha um destino diferente.

Quem é seu personagem sargento?

É um pouco como um supervisor de tropa, um faz-tudo. Ele não se impõe, porque já morreu desde o desaparecimento da filha. É como se alguém voltando da frente, está em choque. Ele é uma figura misteriosa que de repente se revela no final, porque há eventos dos quais nunca nos recuperamos.

A série tem um lado muito internacional, com atores franceses, alemães, canadenses, escandinavos…

Nascido na Alemanha, filho de pai militar americano e mãe francesa, algo internacional sempre me chocou. É também a potência da Europa, há um grande potencial, é um pouco como os filmes de Lars von Trier, já joguei com ele no início dos anos 90. Ela é fiel ao drama, com uma veia perturbadora.

See also  Frost discovered at the top of giant Martian volcanoes

Essa corda, todo mundo quer saber onde ela leva, basicamente…

Nosso destino está diante de nós, e todos nós queremos saber o que está na ponta dessa corda. Todos os personagens estão relacionados. Vivemos uma vida na qual realizamos nosso destino? É finalmente esta corda. Você não pode controlar nada, mesmo como cientista. Gostei desse aspecto de Dominique Rocher, o diretor, cujo primeiro filme foi, A noite devorou ​​o mundoEra um filme de zumbi. Com esta série, estamos em uma tristeza muito emocionante. Tão confiante no que diz, ele deixa a câmera rolar.

Aarti confirma sua ambição nesta série?

Como todo mundo, vi o desenvolvimento da Arte, não da HBO também, mas o canal tem uma vontade real de apostar em projetos únicos e inovadores. Quem na França, além da Arte, pode se dar ao luxo de implementar um projeto como sem curdo? É um projeto de um nicho educado e sensível, e é bem sucedido.

grande azulO que fez você saber que ainda é um culto. Você está surpreso?

O público é o que fez deste filme uma lenda. Jacques Maill, a pessoa real, fez da apnéia algo sensual, comparado ao mar. Podíamos viver neste espaço marinho, era uma ideia bastante ingênua, mas muito romântica. Nosso relacionamento com a natureza deve se tornar espiritual novamente. O filme tem um pouco de ingenuidade, e tem um lado “fabuloso”. Este é sem dúvida o projeto mais inocente de Luc Besson, é preciso olhar com olhos ingênuos. Eu nunca levei esse filme a sério porque eu não era ator na época. Talvez isso tenha me salvado…

>> cordaQuinta-feira, 27 de janeiro, às 20h55, Dia de Aarti.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *