Compreendendo a consciência animal

Em 2012, um grupo de neurocientistas aproveitou uma conferência na Universidade de Cambridge para escrever declaração de consciência. Os signatários afirmam que os humanos não são os únicos que percebem. Além disso, de acordo com o novo MundoVários estudos mostram que primatas não humanos, cetáceos, corvos e alguns invertebrados (abelhas, aranhas e cefalópodes) exibem alguma forma de consciência.

No entanto, a incapacidade dos animais de expressar o que sentem dificulta a questão na hora de estudar esse fenômeno. Para chegar lá, os cientistas precisam sintetizar descobertas de diferentes disciplinas, como neurociência, biologia do desenvolvimento, psicologia, ciências do bem-estar animal e até mesmo filosofia.

Consciência e animais

filósofo Jonathan Burch Além disso, busca definir o que é a consciência e como ela se expressa nos organismos vivos. Ele apresenta cinco critérios que os caracterizam: a riqueza da percepção sensorial, a capacidade de distinguir entre sensações negativas e positivas, a capacidade de integrar muitas informações sensoriais em uma única situação, a percepção do tempo e o reconhecimento de ser um indivíduo distinto de seu meio Ambiente. .

Alguns animais têm um alto nível de consciência para alguns desses aspectos e um nível mais baixo para outros. Por exemplo, os corvos têm uma forte consciência do tempo e da individualidade, como evidenciado por seu hábito de estocar alimentos para o futuro e suas estratégias para enganar seus concorrentes. Por outro lado, os polvos têm sentidos altamente desenvolvidos e também reconhecem sensações agradáveis ​​porque gostam de brincar.

consciência e desenvolvimento

Encontrar a origem da consciência nos organismos vivos é o seu desafio Simona Ginsberg e Eva JablonkaDois estudiosos israelenses. Segundo eles, a resposta pode estar na aprendizagem por associação.

Na verdade, esse tipo de aprendizagem difere do simples condicionamento porque se baseia na capacidade de formar conexões entre diferentes informações capturadas em diferentes momentos do ambiente. Então, permite que o indivíduo adapte seu comportamento. Essa forma de aprendizagem requer mecanismos neurais complexos e, portanto, é compatível com a consciência.

See also  Um colchão melhor para um sono melhor

Como o aprendizado associativo foi observado em várias espécies de vertebrados, incluindo mamíferos e pássaros, isso significa que a consciência apareceu pela primeira vez em seu ancestral comum há cerca de 530 milhões de anos. A consciência também pode se desenvolver em paralelo em artrópodes e cefalópodes, de acordo com Jonathan Burch.

O surgimento da consciência seria uma vantagem evolutiva porque torna possível interagir melhor com o ambiente em mudança, em vez de depender apenas de reações. Por exemplo, os predadores tornam-se mais eficientes na detecção de presas e, então, estes desenvolvem melhores capacidades de camuflagem, levando os predadores a inovar mais. Os cientistas acreditam que a consciência estimulou a biodiversidade.

Créditos da imagem: © câmeras | Dreamstime.com

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *