Com oito países representados nas oitavas de final, a competição abre (um pouco) este ano

Ao se qualificar pela primeira vez para a fase a eliminar da Liga dos Campeões, na quarta-feira, 8 de dezembro, o RB Salzburg estabeleceu um feito histórico para o futebol austríaco. Até então, a Áustria era uma novata a este nível e se autodenominava as “16 Melhores Seleções da Europa” consistindo principalmente, nos últimos anos, de clubes das cinco ligas principais (Inglaterra, Alemanha, Espanha, França, Itália).

Entre as eliminatórias estão também Sporting Portugal, Benfica e Ajax. Quatro representantes em dezesseis das chamadas ligas “menores”, o total pode parecer ridículo. Na verdade, é bastante alto, porque o número é o maior desde a temporada 2017-2018 (Basel, Shakhtar, Besiktas, Porto).

Nos últimos anos, a Big Ears Cup se assemelhou a um clube fechado, quase exclusivamente reservado aos times das maiores ligas. No ano passado, apenas o Porto sobreviveu à fase de grupos. Em 2019-2020, todos os oitavos finalistas estavam entre os cinco primeiros da Europa.

Na verdade, a reforma recente exacerbou particularmente essa tendência. Desde 2018, os maiores torneios (Alemanha, Inglaterra, Espanha e Itália) viram quatro eliminatórias automáticas na fase de grupos. Em outras palavras, metade das 32 equipes concorrentes vêm desses quatro países. Isso permite que eles, mecanicamente, tenham um grande número de repetições na década de 80.

O contraste é impressionante: ao longo do período 2012-2018, ele conquistou uma média de 8,3 campeonatos de clubes neste momento da competição. Não era incomum ver times russos, ucranianos, suíços ou turcos em partidas eliminatórias. Desde 2018, essa média caiu para 7. E, novamente, aumentou até 2021-2022.

See also  Barrett, hot red knicks stop Hawks to overtake .500

Este ano pode ser um ponto de viragem? Essa presença crescente de clubes das ligas menores pode ser lida como um elemento permanente? Não iremos tão longe, mas estes resultados mostram que o futebol de qualidade existe fora das ligas mais populares.

O Ajax e o seu ataque louco (20 golos, o maior total da competição) ou o Salzburgo, e o seu jogo desenfreado, são bons exemplos. Mesmo que não tenha levado à qualificação, a trajetória do xerife de Tiraspol (Moldávia), que triunfou notavelmente sobre o Real Madrid, faz parte desse pedigree. Benfica e Salzburgo tiveram de passar pelos play-offs para chegar às galinhas.

Eles também aproveitaram as fraquezas de times famosos. A fase de grupos foi um desastre para a Alemanha, já que o Bayern de Munique só a representou na primavera, após as falências de Dortmund, Leipzig e Wolfsburg. A situação não é melhor do lado ibérico, onde apenas o Real Madrid e o Atlético de Madrid saíram da primeira fase. Tão fora de Sevilha e Barcelona, ​​mas em grupos acessíveis, antes do resultado da partida do Atalanta Villarreal foi adiado para quinta-feira. Se o Submarino Amarelo for eliminado, a Espanha lamentará sua pior temporada desde 2011-2012.

Feito de boom

Se chegar ao oitavo lugar é uma boa exibição, não há dúvidas que os clubes portugueses, austríacos e holandeses vão terminar. Uma corrida aos quartos-de-final é possível dado o seu nível de jogo, mas apenas três “dos cinco” clubes conseguiram desde 2018: Porto, duas vezes, e Ajax. A equipe de Amsterdã, que se destacou na temporada 2018-2019, chegou às semifinais da competição. Desempenho obtido com a exclusão do Real Madrid e da Juventus. Que desprezo pelas estatísticas desfavoráveis.

You May Also Like

About the Author: Lucinda Lima

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *