“Colonial Memories”, de Isabel Figueiredo: Meu pai, esse colonizador

“Notas de Memórias Coloniais” (Caderno de Memorias coloniais) de Isabel Figueiredo, traduzido por Miriam do português Benarroch e Nathalie Meyroune, Introdução de Leonora Meyroune, Chandeigne, “Bibliothèque lusitane”, 352 páginas, € 20, digital € 14.

Uma menina de 12 anos corre entre os pais no banco de trás do carro, para o Aeroporto Lourenço Marques (hoje Maputo). A sua família enviou-a para Portugal, onde nunca pôs os pés, para a proteger das atrocidades cometidas durante a descolonização do país – a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) liderou a guerra contra o ocupante português de 1964 a 1974. Em 1975, centenas de milhares de ” está de volta “ Corra como ela. O nome dela é Isabella Figueiredo. Ela nasceu em 1963 neste país que, embora seja o seu país, não pertence a ele como está escrito nele. cartão de notas coloniais que acaba de ser publicado na França.

Depois de pressionar a adolescente, seus parentes pediram que ela dissesse à sua família na Europa que a imagem iraniana que eles tinham do novo poder em Moçambique estava errada; Que colonos como eles foram submetidos a massacres, estupros e saques. Ao chegar, a menina percebe que esta mensagem é “inaudível”, Porque os portugueses encolheram os ombros com nojo dos seus conterrâneos africanos. Então cala-te Ela explica para “The World of Books” durante uma entrevista em Paris. por trinta anos.

uma forma de catarse

Teve de esperar pela morte do pai em 2001 para se sentir à vontade para escrever sobre o colonialismo, um tabu em Portugal. “Eu não poderia fazer isso enquanto meu pai estivesse vivo. Porque eu o amava. Eu tive que escolher entre viver em paz ou em guerra com ele.” Deste pai vulcânico que adoro, este “O Rei Gigante”, Eletricamente racista e masculina, cruel e generosa, ela rejeitava ideias incansavelmente.

Isabella Figueiredo escreveu este livro aos 46 anos e era forte no que já sabia em 1975: Um dia, ela contaria a verdade, e seria uma traição de todos.

Quatro anos após esse falecimento, passou a manter um blog “Mundo perfeito”, escrevendo todas as noites ao voltar do jornal para o qual trabalhava. Uma forma de catarse, durante a qual ela desmonta o seu próprio caminho e este “mundo ideal”, tal como o percebe. A blogosfera portuguesa está entusiasmada. O pequeno editor, Angelus Novus, entra em contato com Isabella Figueiredo: ele quer publicar. Em 2009, Livro de memória colonial som. Resta apenas o relato narrativo da infância da autora moçambicana. Ela escreveu este livro aos 46 anos, e era forte no que já conhecia em 1975 na pista: Um dia ela contaria a verdade, e seria uma traição para todos.

See also  Quando Ronaldo "rouba" a Bola de Ouro de Franck Ribery

Você tem 65,64% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *