Colisão de potas – Russell tem consequências para o plano econômico?

Na esteira do confronto entre George Russell e Valtteri Bottas no domingo em Imola, Tutu Wolff expressou preocupação com as potenciais consequências econômicas do acidente.

As equipes de Fórmula 1 agora precisam prestar atenção em suas despesas. Desde o início da temporada, eles estão sujeitos a um limite orçamentário estrito para tudo relacionado ao desempenho, que foi fixado em 145 milhões de dólares (120,4 milhões de euros) para 2021. Entre as despesas envolvidas, as dedicadas à reparação de carros danificados podem ser o mais difícil de controlar para as dez equipes. Eu entrei no torneio. Este é o problema que a equipe Mercedes vem enfrentando desde domingo e o Grande Prêmio da Emilia Romagna, marcado por um violento confronto entre Valtteri Bottas e George Russell. Segundo seu chefe, Tutu Wolf, as consequências econômicas desse acidente podem ser sentidas ao longo da temporada. “Nosso carro é virtualmente não reembolsável e, no contexto de orçamentos apertados, definitivamente não é disso que precisamos, e é provável que limite as mudanças que podemos fazer”, disse o austríaco em comentários compilados pela revista britânica Autosport.

A Mercedes pretende coletar o máximo de material possível

“A situação é muito tensa em termos de custos”, afirma Toto Wolf, especialmente porque a Mercedes teve que ajustar seu estilo de vida para se adequar ao teto imposto igualmente a todas as equipes. “O que sempre tememos é um carro completamente irrecuperável”, ele confirma. Não seria completamente, mas quase, não é algo que realmente queríamos. Por sua vez, o Chefe de Engenharia, Andrew Shofflin, confirmou à Autosport que “o dano é significativo” no banco de um lugar do Valtteri Bottas, com prioridade para verificar se o motor não ficou irrecuperável devido a uma avaria. De agora até ao próximo Grande Prémio de Portugal, o objectivo da equipa Mercedes será limitar a extensão das reparações ou substituições necessárias. “Nossos pilotos têm sido incrivelmente bons ao longo das temporadas, sem muitos danos nos últimos anos e, certamente, em termos de contas, o trabalho com carbono e metal será muito importante”, acrescenta Andrew Scheuflin. Então vamos ver o que podemos levar de volta e levar os carros de volta para Portimão. Mas isso é uma preocupação quando você tem esses tipos de acidentes. A questão também seria determinar as consequências dessa colisão, que poderia esticar o orçamento alocado para o desenvolvimento do W12.

See also  "CalbART", os boxeadores e ambientalistas locais projetados por um jovem empresário

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *