Cinema: filme “Cidadãos do Mundo” de Gianni Di Gregorio dá vontade de envelhecer

Há um gosto indescritível da Itália nos filmes de Gianni Di Gregorio. Não algo exagerado, necessariamente estético ou efêmero, muito pelo contrário. Sabor da Itália cotidiana, real, tangível, um pouco como Ken Loach no Reino Unido, mas com um bom senso de humor (às vezes negro) além disso.
“Citizens of the World” apresenta três romanos “idosos” que se orgulham de seu desejo de viajar e viver no exterior. Segundo eles, os seus rendimentos (pensões para dois deles, trabalho para o outro) já não lhes permite viver bem na península.

-Quem chama de “pai pobre” pergunta à filha, Attilio
Ben, pessoas como nós simplesmente não conseguem o que querem
-Então somos todos pobres, ela responde

Beba, fume, coma, flerte e … sonhe

Mas não me entenda mal. Os três “cidadãos do mundo” não ficaram amargos. Eles aproveitam a vida, mordem-na ao máximo. Tem essa cena em que, como quase todas as noites, Giorgetto volta para casa bêbado, com um copo plástico de Spritz na mão. (Eu gostaria de envelhecer com um copo de Spritz na mão …)
Tem também o professor que lhe disse, pelas mãos de seu médico, que ele sofre de enfisema, é claro, porque “fumou há cinquenta anos”. O médico responde que não tem nada porque é uma rocha! (Eu gostaria de envelhecer uma loira com lábios …)
Depois há os churrascos do Attilio e também para o professor de português (porque querem ir para os Açores). “Pés debaixo da mesa!” Meu pai costumava gritar quando íamos a um restaurante como os três heróis do cinema que têm seus conselhos em Roma.

See also  Horizon Chase lança expansão Senna Forever

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *