Cinema. A propriedade: Portugal está congelado nas regras da ditadura

Seu filme tem um visual específico, um set dura 166 minutos (foi assim que foi assistido no Festival de Veneza, no Festival de Toronto e no Oscar), mas vai ao ar na Arte em três partes de 58 minutos. Por que essa escolha?

Foi pensado para ser um filme, escrito como uma história ao mesmo tempo. Decidimos então dividi-lo em três partes, porque sabíamos desde o início que seria lançado como uma minissérie, embora originalmente fosse para ser assistido uma vez. Eu poderia ter cortado de outra forma para que a história fosse mais rápido, o ritmo fosse mais rápido, mas eu estava procurando o silêncio, há muito tempo … a história estava acontecendo há muito tempo, e eu queria que acontecesse tem tempo para evoluir, lentamente.

“Le Domaine” mostra Portugal congelado nas regras impostas pela ditadura, uma espécie de atraso com forte dominação masculina, mesmo após a morte de Salazar. Este período ainda está pesado na mentalidade portuguesa?

Sim. A primeira parte do filme se passa durante a ditadura, um período muito difícil em que a vida estava sob o controle de um estado policial. Não havia liberdade, especialmente para os pobres. E não devemos esquecer que jovens foram enviados à África para preservar as colônias. Mas era o momento perfeito para tramar: depois da Revolução dos Cravos, com as conquistas sociais, inclusive do salário mínimo, a vida mudou nessas áreas.

Os defensores do sistema não imaginavam que ele entraria em colapso. A mãe de Leonor (mulher do senhorio), esposa de um ex-director da polícia secreta, não percebe porque é que “depois de pôr os pés lá fora estás a ser perseguido”… “Vivemos com medo, disse ela… como se fosse uma vítima.

READ  A vitória do filme português "Vitalina Varela" em Locarno

Mas todos os ricos ficaram com medo quando a revolução aconteceu! Eles acreditavam que os comunistas tomariam o poder, que haveria alguma forma de vingança e expurgos … Ninguém sabia como isso iria acabar. No final das contas, alguma forma de equilíbrio foi criada, a democracia foi instituída e, então, como sempre, o poder voltou aos ricos.

A revolução não se impôs no mesmo ritmo em todos os lugares. O tipo de imobiliário rural que vemos no filme estava longe dos acontecimentos de Lisboa …

Um domínio é um país dentro de um país. Enclave feudal, outro Portugal, com seus símbolos, costumes e fronteiras. Também foi preservado graças ao caráter de seu patrão João (Albano Geronimo). Outros territórios foram invadidos, saqueados e destruídos … não o seu. Por ser egoísta, está cuidando de sua gente (vemos ele procurando um mecânico comunista nas prisões da polícia secreta, que o prendeu e torturou – Nota do Editor). Existe uma forma de progressismo frustrado nisso.

Ele também é tirânico, às vezes violento e engana a esposa. Era uma forma de denunciar a sociedade patriarcal portuguesa da época?

Completamente. A propósito, ainda está por aí. Principalmente porque os homens não conseguem controlar seus sentimentos e traduzi-los em brutalidade. É isso que torna o personagem de João tão divertido. Eu não o culpo, é um produto da história dele, podemos ver isso no início do filme. E é isso também que ele passa para o filho, porque nem sempre se dá conta de que está magoando os outros. Entre os objetivos estava o de mostrar os venenos desse patriarcado.

Este não é um filme sobre a revolução, mas sobre relações familiares disfuncionais?

READ  Vegetarian restaurant ONA receives a Michelin star in France, for the first time

É um filme sobre herança e transmissão. O pano de fundo histórico é prático: como o passado pesa na história do país, a história pessoal de João o obrigará a mudar e a fazer a sua própria revolução. Ele tentará ser uma pessoa melhor. Sempre quis que a história do país e a história da família se desenvolvessem paralelamente.

É um filme muito cruel sobre a sociedade portuguesa. Como foi recebido em seu país?

Bem, eu diria. Fiquei surpreso tanto com a crítica quanto com o público. Eu temia que o público ficasse intimidado com a extensão, mas ele fez muitas entradas. Tocou todos os tipos de pessoas e de gerações. Claro, aqueles que viveram durante este período, mas também os mais jovens. Todas as personagens do filme são vítimas, incluindo João, mas muitas mulheres se identificaram em Leonor (Sandra Valero), e encontraram eco nesta condenação ao patriarcado. Então, claro, se a multidão está preocupada, é também porque é um assunto de família, todos são importantes. Adoraria ver o que acontece nas famílias, é incrível a rapidez com que tudo pode dar errado lá, mesmo sem intenções prejudiciais.

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *