C1: Série A perdeu as quartas-de-final, uma falha italiana

muito devagar? Muito discreto? Falta de meios? O futebol italiano chegou a um acordo após eliminar todos os seus clubes antes mesmo das quartas-de-final da Liga dos Campeões, pela primeira vez desde 2016.

“Um fracasso de um anunciante em que a vítima, o nosso futebol, é também culpada”, resumiu quinta-feira a festa do Corriere dello Sport, tal como outros meios de comunicação, à procura de soluções.

A emoção da montanha russa europeia, a Itália vai deixar para os ingleses (três clubes qualificados), os alemães (dois), os espanhóis (um), os franceses (um) e os portugueses (um).

Depois do Inter de Milão, lançado em dezembro, as três eliminatórias para a oitava partida não irão além: lógico para Atalanta Bergamo contra o Real Madrid (0-1, 1-3) e Lazio Roma contra o Bayern de Munique (1-4, 1-2 ) ), Caiu para os Ogros, mas o desastre para a Juventus frente ao FC Porto foi reduzido a dez durante uma hora na segunda mão (1-2, 3-2 depois).

O empate italiano é uma tendência forte, notável desde a final italiana 100% em 2003 entre Milan e Juventus.

Nas quinze temporadas que antecederam esta cúpula (1988-2003), a Itália colocou onze clubes na final e ganhou cinco C1s. Desde então: cinco clubes na partida final e conseguiram apenas duas vitórias, a última das quais remonta a 2010 com o Inter, comandado por José Mourinho.

No ano passado, o Atalanta salvou a honra ao chamar-lhe a oitava final em Lisboa, que o PSG o derrotou (1-2) nos quartos-de-final.

– Futebol ‘muito lento’ –

Em 2018, a Juventus também foi parada nas quartas-de-final (contra o Ajax), depois de sacudir aos oito na frente do Atlético de Madrid.

Para o ex-técnico Fabio Capello, a Itália simplesmente não está acompanhando um jogo que revolucionou em outros lugares, especialmente na Inglaterra, Alemanha e Espanha.

READ  Pista da Juventus XXL neste verão, o FC Barcelona sabe o que quer fazer com Ousmane Dembele

O conselheiro da Sky Italia criticou na quarta-feira “o futebol italiano é lento”.

“Achamos que podemos vencer táticas, mas fica difícil quando você vai para a Europa, contra times dessa força”, acrescentou, surpreso com a maestria do Real Madrid ou com o desejo constante do Bayern, apesar da qualificação que está quase no bolso.

No futebol moderno, onde todos os jogadores defendem e atacam juntos, Capello apontou a anomalia de isentar Cristiano Ronaldo de ajudar os outros na defesa na Juventus. Sem dúvida, uma observação válida também para outras estrelas da Série A, como Zlatan Ibrahimovic em Milão ou Franck Ribery na Fiorentina.

O defesa da Lazio, Francesco Akerbe, cedeu à “mentalidade vencedora” dos bávaros: “Eles estão a vencer e ainda querem vencer”.

No início da temporada, a Série A mostrou desenvolvimento com mais times jogando (Sassuolo e Verona, mas também promovidos como La Spezia), semelhante a Atalanta Gian Piero Gasperini ou Itália por Roberto Mancini.

Argumento financeiro

Mesmo o difícil Inter Antonio Conte foi atacado com mais jogadores, mesmo que isso significasse correr mais riscos. Mas depois do revés na C1 e da necessidade de resultados no campeonato, os nerazzurri estão novamente “italianos”, mais apertados, mais esperados e … mais vitoriosos na Itália.

Fora do campo, uma explicação é claramente Mali, porque a Itália não possui mais necessariamente os meios para atrair estrelas. Mesmo a Juventus (10º na escala de 2021 da Deloitte em termos de riqueza de clubes) e o Inter (14º) agora estão lutando para competir com Barcelona, ​​Real, Paris Saint-Germain ou os principais clubes ingleses.

As receitas esperadas dos direitos televisivos para as próximas temporadas, que estão a ser reservadas, deverão permitir, na melhor das hipóteses, que esta situação continue, mas parece difícil esperar um crescimento real.

READ  Agadir: O Kasbah foi transformado

O argumento financeiro não é suficiente para explicar a derrota das estrelas da Juventus frente ao Porto.

Também, em grande quantidade, evocou-se um defeito na formação italiana, algum desenvolvimento / movimentação internacional (Verratti, Florenzi, Jorginho), até mesmo o estado dos estádios na Itália que não favoreciam o belo jogo “europeu”.

Boas notícias para a primeira divisão apesar de tudo: assim como o Inter, que entrou em grande estilo quando seu calendário foi amenizado, Juventus, Lazio e Atalanta podem agora se concentrar no torneio. Um objetivo para todos: achar esta Liga dos Campeões da UEFA muito dolorosa, mas muito atraente.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *