Birmânia: Suu Kyi acusado e apelos à desobediência civil multiplicados

Rangoon | A líder birmanesa Aung San Suu Kyi foi indiciada na quarta-feira, dois dias depois de ser deposta em um golpe, enquanto os pedidos de desobediência civil aumentavam, enquanto médicos e profissionais de saúde lideravam o protesto.

Leia também: Birmânia: Pequim pede “para não complicar a situação”

Os militares encerraram abruptamente a frágil transição democrática do país na segunda-feira, declarando estado de emergência de um ano e prendendo Suu Kyi, 75, o chefe de fato do governo civil, e outros funcionários do partido, a Liga Nacional para a Democracia (LND )

O ex-líder foi acusado de “violar a lei de importação / exportação” e “o tribunal ordenou sua prisão preventiva” até 15 de fevereiro, segundo Ki Tu, porta-voz da Liga Nacional para a Democracia.

De acordo com Kyi Toe, o ex-presidente Win Myint, que também foi preso, está sendo julgado por violar a Lei de Gestão de Desastres Naturais.

E foram realizadas batidas em várias sedes do movimento e os documentos foram apreendidos, segundo o partido.

Dois dias depois deste golpe, condenado por muitos capitais estrangeiros, surgiram os primeiros sinais de resistência.

Médicos e profissionais de saúde, que usavam fitas vermelhas (a cor da Liga Nacional), se recusaram a trabalhar, exceto em casos de emergência médica.

“Só obedeceremos ao governo eleito democraticamente”, disse Aung San Min, chefe de um hospital com 100 leitos no distrito de Magway, à AFP enquanto os militares desafiavam as eleições legislativas de novembro, que foram vencidas pelo NLD por uma maioria esmagadora.

A equipe médica do Hospital Geral de Yangon se reuniu do lado de fora do estabelecimento e fez uma saudação com três dedos, um gesto de resistência já adotado por ativistas pró-democracia em Hong Kong ou na Tailândia.

See also  O maior iceberg do mundo se separou da Antártica

Um grupo, o “Movimento pela Desobediência Civil”, foi lançado no Facebook, com cerca de 160.000 assinantes. Pode-se ler “Shame on the army”, “Os soldados são ladrões”.

Na noite de terça-feira, no distrito comercial de Rangoon, a capital econômica, os moradores tocaram suas buzinas, bateram em potes e panelas, alguns cantando “Vive Mère Suu!” (Suu Kyi).

Percebendo os acontecimentos, o último, que agora estará em prisão domiciliar na capital, Naypyidaw, exortou os moradores a não “aceitarem” o golpe em uma carta pré-escrita.

Mas o medo da vingança ainda é forte em um país que, desde a independência em 1948, vive há quase 50 anos sob o jugo de uma ditadura militar.

“A população sabe muito bem o quão violentos os militares podem ser e pouco se importa com sua reputação internacional”, disse Francis Wade, autor de livros sobre o país.

Atenção

As autoridades já emitiram um alerta contra qualquer carta ou mensagem que “incentive distúrbios ou uma situação instável.”

O golpe, que o general Min Aung Hlaing considerou “inevitável”, gerou uma série de condenações internacionais.

Depois de ameaçar impor novas sanções, o governo Joe Biden voltou a levantar a retórica contra a Birmânia, no primeiro grande teste internacional para o novo presidente dos Estados Unidos.

Uma autoridade dos EUA disse que Suu Kyi e Win Myint “foram derrubados por um golpe militar”. Essa qualificação legal impede a assistência direta de Washington ao estado birmanês.

Mas o ato ainda é principalmente simbólico: os militares da Birmânia já estão sujeitos a sanções desde que seus soldados cometeram atrocidades contra a minoria muçulmana Rohingya em 2017, uma crise que levou investigadores da ONU a acusar a Birmânia de “genocídio”.

Aliado chinês

See also  Míssil chinês: um retorno descontrolado à Terra está programado para este fim de semana

O Conselho de Segurança da ONU se reuniu com urgência e a portas fechadas na terça-feira, mas não conseguiu chegar a um acordo sobre um texto comum. As negociações ainda estão em andamento, de acordo com um diplomata, que pediu anonimato.

Para ser adotada, a declaração requer o apoio da China, que está exercendo seu poder de veto como membro permanente do Conselho de Segurança.

No entanto, Pequim continua sendo o principal apoio da Birmânia nas Nações Unidas. Durante a crise de Rohingya, a China frustrou qualquer iniciativa do Conselho de Segurança, acreditando que o conflito com a minoria muçulmana era um assunto interno na Birmânia.

Os chanceleres do G7 disseram estar “muito preocupados” com os eventos, assim como o Fundo Monetário Internacional “extremamente preocupado” com seu potencial impacto na economia do país, que já foi atingido pela epidemia do Coronavírus (mais de 140.000 casos e 3.100 infecções. As mortes registadas).

A Liga Nacional para a Democracia no Facebook pediu a “libertação” imediata de Aung San Suu Kyi, 75, e seus outros funcionários, denunciando o “estigma na história da nação” e conclamando os militares a “reconhecer o resultado” de novembro eleições.

Um porta-voz do partido disse que nenhum contato direto foi feito com Suu Kyi, embora os vizinhos a tenham visto caminhando no jardim de sua casa oficial murada.

Os militares prometeram realizar novas eleições assim que o estado de emergência for suspenso por um ano.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *