Birmânia: Centenas de monges fogem dos combates entre o exército e facções rebeldes

Centenas de monges fugiram de seu mosteiro no leste de Mianmar para escapar de combates ferozes entre o exército e grupos rebeldes anti-junta, disseram testemunhas à AFP.

No distrito de Loikaw, no estado de Kayah, cerca de trinta mosteiros foram abandonados e seus moradores deixaram a cidade em dezenas de caminhões, disse um deles à AFP sob condição de anonimato.

Acrescentou que vários monges também fugiram da congregação de Dimoso, a poucos quilómetros de distância.

Essas duas cidades, localizadas a 200 km a leste da capital Naypyidaw, são palco de combates ferozes entre os rebeldes e as forças armadas há vários dias. Este último lançou ataques aéreos e bombardeios de artilharia.

As Nações Unidas estimam que metade da população de Loikaw foi forçada a sair e quase 90.000 pessoas do estado de Kayah fugiram. A mídia local estimou o número de pessoas deslocadas em mais de 170.000.

Em Loekau, combatentes rebeldes capturaram igrejas e casas abandonadas. Um policial local também disse que eles foram forçados a abrir as portas da prisão na tentativa de fazer com que os detentos se juntassem a eles.

A Birmânia está em caos desde o golpe militar de 1º de fevereiro de 2021 que derrubou Aung San Suu Kyi e encerrou uma década de democratização.

Grupos rebeldes, compostos principalmente por cidadãos, pegaram em armas contra a junta e os combates se intensificaram no leste do país desde o final da estação das monções e o início da estação seca.

Na véspera de Natal, no estado de Kayah, pelo menos 35 pessoas foram mortas e seus corpos cremados, em um massacre atribuído aos militares.

O relator especial da ONU para a Birmânia, Tom Andrews, instou o líder da junta, Min Aung Hlaing, a “parar os ataques aéreos e terrestres” a Loikaw e “permitir a passagem da ajuda humanitária”.

See also  Iraque: ataque de drones a uma base que abriga americanos no Curdistão

Desde o golpe, a comunidade internacional não teve muito espaço para tentar resolver a crise. A junta faz ouvidos moucos aos apelos das Nações Unidas e da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Embora a situação humanitária e de saúde seja crítica, o exército está impedindo a entrega de ajuda e suprimentos médicos em áreas onde a resistência é forte, de acordo com a ONG Human Rights Watch.

As forças de segurança mataram mais de 1.400 civis desde o golpe e prenderam mais de 11.000, segundo uma ONG local.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published.