Biden está dando os primeiros passos cautelosos em direção ao direito da mulher de fazer um aborto

Washington | Na véspera do comício anual antiaborto, Joe Biden anunciou na quinta-feira a devolução da ajuda dos EUA a organizações estrangeiras que facilitam o acesso das mulheres ao aborto, mas elas estão avançando com cautela neste terreno altamente sensível nos Estados Unidos.

O novo presidente assinará no meio do dia um decreto abolindo a “Política da Cidade do México” que proíbe os Estados Unidos de financiar qualquer organização não governamental internacional, desde que forneça até conselhos sobre o aborto.

Introduzida pelo governo republicano de Ronald Reagan, essa regra foi um marco político poderoso por décadas, descartado por todos os presidentes democratas e restaurado por todos os republicanos.

De acordo com um relatório do governo, teve um impacto em 1.300 projetos internacionais em 2018 e forçou as ONGs a abrir mão de mais de US $ 150 milhões naquele ano.

O aborto é legal nos Estados Unidos desde a decisão da Suprema Corte em 1973, mas ainda divide severamente a população americana, e a oposição continua muito forte nos círculos religiosos.

Como todos os anos no aniversário desta estação histórica, os oponentes do aborto planejavam ouvi-los na sexta-feira. Mas a pandemia exige que sua “marcha” seja hipotética, em contraste com a marcha do ano passado da qual Donald Trump participou.

Em tempo para o direito da mulher de escolher o aborto, o bilionário republicano derrotou os eleitores da direita religiosa fingindo ser um adversário ferrenho do aborto.

Para satisfazê-los, seu governo rejeitou a “Política da Cidade do México” em âmbito nacional, exigindo que os centros de planejamento familiar distinguissem fisicamente entre consultas ginecológicas e de aborto, por medo de perder fundos federais. Um quarto desses prédios foram punidos.

READ  South Carolina reports coronavirus cases

Em seu edital, Joe Biden abordou o assunto, embora com cautela. Um comunicado emitido pela Casa Branca disse que ele ordenaria “medidas imediatas a serem tomadas para considerar se ele deveria retirar-se dessas regulamentações.”

O texto também não diz nada sobre a “Emenda Hyde”, que proíbe o uso de fundos federais para compensar a maioria dos abortos, embora Joe Biden tenha prometido cancelá-la durante sua campanha.

“Atropelar a consciência”

Durante sua primeira entrevista coletiva, a porta-voz da Casa Branca Jane Psaki foi questionada sobre as intenções do novo presidente sobre o assunto: “Ele é um católico devoto que vai à igreja regularmente”, ela respondeu sem dizer mais nada.

Apesar da oposição do clero ao aborto, Joe Biden apoia abertamente o direito da mulher ao aborto, de acordo com as posições da maioria de seu eleitorado. Mas isso não o tornou um grande tópico em sua campanha.

Portanto, as associações que defendem este direito estão muito atentas ao futuro.

“Estamos satisfeitos que o presidente Biden cancele a política da Cidade do México, que é uma regra cruel e neocolonial”, disse Serra Seibel, presidente do Centro para Saúde e Igualdade de Gênero (Mudança), durante uma entrevista coletiva. Mas ela indicou que seus efeitos não desaparecerão se você não der instruções claras às embaixadas e agências federais.

Herminia Palacio, presidente do Instituto Guttmacher, acrescentou que suas declarações são “primeiros passos muito importantes na direção certa, mas o governo deve ir além”, destacando que a maioria dos cerca de 850.000 abortos ocorrem todos os anos nos Estados Unidos – Medos de mulheres americanas de origens coloridas e humildes.

Para ela, facilitar o acesso ao aborto se insere, portanto, no contexto de combate à desigualdade, que Joe Biden priorizou. Na quinta-feira, ele também deve assinar um decreto para facilitar o acesso à cobertura médica federal para quem não a tiver por meio de seus empregadores.

READ  Avalanches killed at least 10 mountaineers in Iran's Alborz Mountains | Iran

Mas os oponentes antiaborto e seus aliados republicanos estão empurrando na outra direção.

Assim, o líder republicano no Senado, Mitch McConnell, criticou “financiar abortos no exterior com dinheiro do contribuinte”, que “atropela sua consciência” e infringe, disse ele, as promessas de unidade do novo presidente.

A colega Lindsay Graham reintroduziu um projeto de lei para prevenir o aborto na vigésima semana de gravidez, que agora é uma lei nos Estados Unidos.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *