Biden e perdendo o meio

Um ano depois de tomar posse, Joe Biden é o presidente mais impopular nas pesquisas – com exceção de seu antecessor Donald Trump – e seu partido caminha para a derrota em novembro próximo nas eleições de meio de mandato.

Postado às 06:00

O que aconteceu ? É muito porque perdeu o centro. Os eleitores que votam às vezes à esquerda, às vezes à direita, que fazem e influenciam presidentes e maiorias no Congresso, perderam.

Ele agora desfruta de uma popularidade de até 42% nas pesquisas médias. Nada disso é irreversível. Mas isso requer uma mudança de direção.

Um dos problemas de Biden é que ele chegou ao Congresso com caras soluções prontas – todas retiradas dos velhos cofres democratas – como se o trabalho de Franklin Delano Roosevelt tivesse que ser finalizado de vez em quando.

Embora tivesse ido à Casa Branca graças à imagem de um político moderado e sempre disposto a buscar um compromisso, deparou-se com uma pessoa endurecida e um pouco dogmática.

Ainda produzindo projetos de lei que foram aprovados rapidamente: um pacote de estímulo econômico de US$ 2 trilhões e um plano de reforma de infraestrutura de US$ 1 trilhão – um projeto que os dois presidentes não conseguiram concluir – Obama e Trump. Mas acabaram sendo objeto de certo consenso, mesmo entre os republicanos.

Ele desceu no final do verão ou início do outono – quando, a propósito, seu índice de aprovação caiu abaixo de 50%, em grande parte devido à partida de tropas americanas do Afeganistão e às imagens angustiantes que lembram a queda de Saigon que todos os americanos tiveram. visto.

See also  These are monsters in the political arena

Acrescente a isso a epidemia incontrolável de coronavírus que ele prometeu em sua campanha para tornar sua principal prioridade, o aumento da inflação afetando os preços, de um litro de leite a um galão de gasolina, problemas na cadeia de suprimentos difíceis de encontrar para muitos produtos, e você tem A receita de Joe Biden para a impopularidade.

Alguns de seus infortúnios estão em grande parte fora de seu controle, outros vêm de dentro de seu partido.

Atualmente, a segunda parte de seu pacote de estímulo econômico, um projeto chamado Building Back Better (BBB), está parado no Congresso, em grande parte devido à oposição de alguns democratas.

É que BBB é caro – $ 3,5 trilhões (3,5 trilhões Em inglês, 3.500 bilhões!) mais de 10 anos com todos os tipos de medidas sociais que os democratas há muito sonhavam, jardins de infância para crianças de 3 e 4 anos, construção e reforma de moradias sociais, licença parental, expansão do seguro de saúde para idosos , etc

Mas o senador Joe Manson, um democrata mais conservador, o considera caro demais e atrapalha o projeto, dizendo que os gastos não devem ultrapassar US$ 1,5 trilhão. Após o prolongado impasse, o presidente Biden admitiu que seu projeto deveria ser implementado.

Da mesma forma, Mansen e sua colega Kirsten Senema se recusam a mudar a regra da supermaioria de 60 votos no Senado para permitir a aprovação de outro projeto de lei de Biden para facilitar o exercício do direito de voto.

Obviamente, quando um presidente não consegue convencer seu partido, dá a impressão de impotência.

No entanto, existem maneiras de fazer o contrário. Muitas vezes esquecemos, por exemplo, que Barack Obama permitiu que o Congresso estabelecesse os padrões para o Obamacare, seu projeto simbólico de seguro de saúde. O resultado não foi um programa universal e abrangente com o qual muitos democratas sonhavam, mas um seguro básico com o qual a grande maioria dos americanos ficaria feliz.

See also  Haiti: Policiais libertam à força colegas presos

No entanto, Joe Biden não perdeu nada. As eleições são decididas no centro e seus oponentes republicanos estão mais entrincheirados do que nunca na extrema direita.

Em particular, agora há uma clara maioria de juízes conservadores na Suprema Corte, seis a três. O tribunal irá considerar a constitucionalidade das leis que restringem o direito ao aborto tanto quanto possível – particularmente no Texas – nos próximos meses.

Tradicionalmente, os republicanos vencem as eleições de meio de mandato nos Estados Unidos porque os democratas tendem a votar menos quando não há eleições presidenciais.

Mas haveria uma maneira infalível de motivar os eleitores democratas, e isso é tocar o direito ao aborto, que a Suprema Corte defende há meio século.

Apenas 30% dos americanos querem que o aborto seja recriminalizado. Obviamente, o centro está do outro lado.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published.