Alojamento do chão ao teto para evacuados nos Estados Unidos

(Landover) Dans un petit entrepôt de Landover, en banlieue de Washington, une dizaine de bénévoles s’affairent pour charger table, chaise, lit et canapé qui iront meubler un appartement pour des Afghans évacués de Kaboul, espérant bénéficier département nos Estados Unidos Da America.


Cyril Julian
Agência de mídia da França

Como quase todos os dias, Laura Thompson Ussuri, diretora da associação Homes Not Borders, muda-se para lá.

Liste à mão, suba nas prateleiras e procure nos baús para coletar móveis, cobertores, utensílios de cozinha e jogos de xícaras ou pratos.

No armazém, que se tornou a caverna Ali Baba, onde tantas doações chegaram nas últimas semanas, os voluntários abrem caminho por entre pilhas de pacotes para pegar um sofá de couro e colocá-lo no carro.

A associação, fundada em 2019 em Maryland, é uma das muitas organizações mundiais de assistência a refugiados ativas em todo o país.

É especializada no projeto de habitações do chão ao teto fornecidas a esses refugiados após sua chegada.

Desde que o Taleban tomou o poder em meados de agosto, levando a uma evacuação em massa de civis afegãos do aeroporto de Cabul, o ritmo dos assentamentos triplicou, explica Laura Thompson Osori, passando de ‘um para dois, para entre quarenta e quatro’. ‘ Seis na semana.

Os recém-chegados recebem um estipêndio de cerca de US $ 1.200 das autoridades federais para comprar móveis básicos, como uma cama ou mesa.

Se não transigirmos com eles, eles mesmos terão que pagar por isso. Então, estamos apresentando a base e além, para que eles possam gastar seu dinheiro em outra coisa “, explica essa dinâmica de quarenta anos.

See also  Caribbean volcanoes come to life as scientists study activity not seen in years | Volcanoes

O objetivo é que “quando os recém-chegados entram no apartamento, é como se tivessem entrado em casa”, acrescenta Levan Cook, voluntário da associação há três anos.

“Nós o mantemos aquecido, com desenhos nas paredes” e móveis “com cores coordenadas”, acrescenta.

Conforto e assistência mútua

Esta manhã, é para dois civis afegãos que possuem um visto especial de imigrante emitido para aqueles que trabalharam com as autoridades dos EUA e temem represálias do Taleban.

Desde sua chegada, o casal está morando em um apartamento do Airbnb e deve se mudar para um condomínio em Riverdale, a leste da capital dos Estados Unidos, em breve.

Esta residência acolhe muitos refugiados, incluindo outros afegãos que também passaram pelo trauma de serem deslocados para um país desconhecido.

“Era o país, as pessoas, a residência, a cultura, tudo era diferente”, lembra Masuda Stanikze, 37, que chegou de Cabul em novembro de 2017 com o marido, tradutor de autoridades americanas, e quatro filhos.

“Mas as pessoas prepararam nossa casa, encheram a geladeira e nós realmente gostamos e nos sentimos confortáveis”, explica esta ex-enfermeira que mora em um apartamento duplex.

A adaptação a esta nova vida foi “difícil”, mas a família conseguiu aproveitar a ajuda dos vizinhos afegãos, que pretendiam repassar aos recém-chegados.

Quando eles se instalam em Riverdale, “temos o prazer de recebê-los e perguntar se precisam de ajuda”, diz a mãe. “Estou dirigindo, posso ajudá-los a chegar a algum lugar”, explica ela.

“Todos os afegãos precisam de ajuda, não podemos ajudá-los lá, mas pelo menos podemos ajudá-los quando vierem aqui. Se eles pedirem ajuda, estaremos prontos”, disse Masouda.

As iniciativas privadas de doação também estão aumentando em todo o país para ajudar os desabrigados a se instalarem.

See also  Minha perna obcecada por incêndios queimou as arquibancadas da competição

“Estamos lá para ajudá-los, eles não estão sozinhos”, explica Fátima Popal, 41, cuja família é proprietária de vários restaurantes em Washington e organiza uma variedade de equipamentos, roupas ou necessidades básicas.

“Sei que ninguém quer sair do país”, acrescenta. Ela ainda se lembra de sua viagem do Afeganistão em 1987, quando o país foi ocupado pelo exército soviético. “Nós também somos refugiados, de uma guerra diferente”.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *