A Via Láctea: uma composição heterogênea

A Via Láctea está mal misturada? Os modelos utilizados até agora consideraram que os diversos elementos químicos que constituem a galáxia aí se distribuem de forma bastante harmoniosa e que o Sol é uma amostra bastante representativa. Em particular, o conteúdo de “metais”, elementos mais pesados ​​que o hidrogênio e o hélio, estão envolvidos em muitos processos astrofísicos e são considerados mais ou menos iguais em toda a galáxia. Mas Annalisa De Cia, da Universidade de Genebra, e seus colegas, observaram a proximidade de muitas estrelas e notaram a presença de minerais ali em proporções muito mais heterogêneas do que o esperado.

A Via Láctea é constantemente abastecida com gás do espaço intergaláctico: hidrogênio e hélio, os dois elementos químicos mais leves. Esses elementos se condensam em estrelas e se fundem ali, dando origem a elementos mais pesados. Assim que a combustão da estrela está completa, ela explode e expele parte da substância criada ao seu redor. Essa mistura, que contém ferro, carbono ou silício, enriquece a formação das gerações subsequentes de estrelas ou é encontrada na forma de gás ou poeira nas regiões frias da galáxia.

Nos modelos atuais, o gás nativo composto por hidrogênio, hélio, gás enriquecido com metais e poeira é distribuído na Via Láctea de forma bastante homogênea, com composição mineral muito próxima ao Sol, conteúdo denominado “metalicidade solar”. A concentração de metais será ligeiramente maior no centro da galáxia, onde a densidade das estrelas é maior.

Annalisa De Cia e seus colegas, incluindo astrônomos do Instituto de Astrofísica de Paris, avaliaram este conteúdo mineral observando gás perto de 25 estrelas em um raio de 3 kiloparsecs ao redor do Sol (cerca de 10.000 anos-luz). A presença de seis elementos químicos mais pesados ​​que o hélio (silício, titânio, cromo, ferro, níquel, zinco) foi medida por espectroscopia usando um telescópio espacial. Hubble e em VLT (Very Large Telescope), No Chile. Esta técnica permite dividir a luz para ver os vestígios dos elementos que constituem as coisas por que passou, neste caso as nuvens de gás localizadas entre as estrelas e o observador. Essa medição não levou em conta a poeira, mas os pesquisadores desenvolveram um novo método para avaliar a composição dessa poeira também.

See also  Alberta | Chefe oficial de saúde defende desmantelamento público do condado

Seus resultados contradizem a ideia da Via Láctea, onde diferentes espécies químicas se misturam de maneira homogênea. O heliometalismo, longe de ser um padrão, só se materializará em um terço dos ambientes estelares observados. O conteúdo mineral é tão baixo quanto 17% do metálico do sol em alguns casos, e quase o dobro em algumas áreas. E isso independentemente da idade das estrelas, elas estão todas em uma região relativamente próxima do sol. Como podemos explicar essas diferenças em uma pequena região da galáxia? Quando o gás intergaláctico (pouco metálico porque não esteve em contato com estrelas) entra no disco da Via Láctea, a rotação e a turbulência que podem garantir uma mistura homogênea parecem ineficazes, e a variabilidade permanece viva.

Esta descoberta levanta questões sobre o conhecimento atual sobre a formação e evolução das galáxias. Portanto, os modelos de evolução que fizeram a hipótese simplista de uma composição química homogênea devem ser revistos: estrelas, mas também planetas, podem se formar ao mesmo tempo com composições químicas completamente diferentes.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *