A seleção francesa se classificou para os Jogos Olímpicos de Tóquio, apesar de perder para Portugal

Blues nos jogos. A seleção masculina francesa conseguiu sua passagem para Tóquio no domingo em Montpellier, apesar de ter derrotado Portugal por pouco, no último dia de suas eliminatórias olímpicas (28-29).

De 24 de julho a 7 de agosto, ela participará de sua oitava Olimpíada consecutiva desde a louca expedição de “bronze” a Barcelona em 1992. Ela buscará sua quinta medalha lá depois de também ganhar o ouro em 2008 e 2012, depois prata. Há cinco anos no Rio.

Graças ao seu sucesso, Portugal, que ficou em segundo lugar no grupo, também conquistou uma qualificação histórica. A Croácia foi eliminada, apesar da vitória (30-27) sobre a Tunísia no início da noite.

Ao empatar em pontos com Portugal e Croácia, a França ficou em primeiro lugar no torneio com um saldo de gols específico (+3), à frente de Portugal (0) e Croácia (-3). Graças a sua vitória surpreendente e clara sobre os Bálcãs na sexta-feira (30-26).

Um ótimo começo para o blues

No domingo, os Blues só arriscaram a eliminação em caso de derrota por pelo menos sete gols, e nunca pareceram estar ameaçados. Começaram bem a partida com uma defesa de Vincent Gerrard, dardos da Decca M e contra-ataques de Luke Abalu (7-2, 9).

Em 9-3 (13º lugar), Paulo Pereira, o treinador português, mudou quase toda a sua equipa. Então Heroix de Mar, para quem vitória era sinônimo de qualificação, aos poucos voltou ao jogo. Enquanto o francês, com a passagem quase no bolso e proibido de acertar Deca-m na perna esquerda, seu pé baixou logicamente.

Os portugueses, de luto, tinham uma alma extra

À l’image d’Hugo Descat, bis impecável (6/6 au tir), les Bleus n’ont pas lâché la partie (25-28, 56e), question de príncipe face à un adversaire qui leur a fait très mal ces Últimos anos. Mas os portugueses acreditaram na sua estrela, claramente carregada por um espírito adicional, e foram eles que prantearam o seu guardião, Alfredo Quintana, falecido há duas semanas com 32 anos.

Nos últimos quatro minutos, marcou quatro gols sem sofrer nenhum gol. Na última posse de bola francesa, Roy Silva roubou a bola a Melvin Richardson oito segundos antes do tempo para marcar um golo inesquecível nas eliminatórias (28-29, 60). Os croatas afundaram à distância em um abismo de ruína Valentin Porte disparou imediatamente um remate poderoso para o fundo da jaula portuguesa, mas o golo, logicamente, não foi validado, com a última sirene a soar antes de a bola cruzar a linha de golo.

Os portugueses poderiam ter celebrado o feito com dignidade, e é lógico que os franceses se sentissem mais confusos depois deste final desastroso do jogo. Eles também terão tempo para desfrutar de suas qualificações nos próximos meses.

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *