A Rússia está intensificando suas manobras militares no Ártico

Moscou, Rússia | A Rússia engajou-se nesta terça-feira em novas manobras militares no Ártico, região estratégica na qual fortaleceu sua presença nos últimos anos e onde seus interesses conflitam com os de muitos países, incluindo os Estados Unidos.

Os últimos exercícios começaram na segunda-feira e devem durar “vários dias”, segundo o Ministério da Defesa. Envolve simular a destruição de uma aeronave pelos sistemas antiaéreos Pantsir-S1, reabastecimento em vôo dos caças MiG-31 e neutralizar o ataque do drone removendo seus sinais de controle.

O exercício ocorre após um exercício naval na sexta-feira, quando três submarinos com propulsão nuclear apareceram no Gelo Ártico, o primeiro na história pós-soviética da Rússia de acordo com os militares, e uma operação promovida pelo presidente Vladimir Putin.

De acordo com o almirante russo aposentado Viktor Kravchenko, em uma entrevista à Interfax na sexta-feira, “Este é o treinamento de combate intenso usual, mas também é uma homenagem aos nossos amigos estrangeiros – os americanos”.

“Obviamente, o objetivo era mostrar: não tente dominar os mares do Norte. Já estamos aqui há muito tempo”, disse ele.

Vladimir Putin fez da exploração econômica do Ártico uma prioridade estratégica, notavelmente criando uma rota marítima ao longo da costa norte para conectar a Europa com a Ásia e competir com o Canal de Suez.

Esta rota marítima, que se tornou mais prática graças ao aquecimento global e ao derretimento do gelo, deve desempenhar um papel cada vez mais importante no comércio internacional.

Do lado militar, a Rússia continuou a aumentar sua presença no Ártico nos últimos anos, reabrindo e modernizando muitas bases e aeroportos abandonados desde o final da era soviética. Também implantou o mais moderno sistema de defesa aérea S-400 lá.

READ  Primeira entrevista | Biden fala sobre o envenenamento de Putin por Navalny

Em 2019, também lançou a primeira usina nuclear flutuante do mundo, Akademik Lomonosov, que visa facilitar o desenvolvimento econômico no Ártico e fornecer plataformas de petróleo nesta região rica em hidrocarbonetos.

Os interesses de Moscou no conflito ártico com os de quatro outros países, incluindo os Estados Unidos, que em fevereiro enviaram bombardeiros estratégicos para treinamento na Noruega e implantaram navios no ano passado no Mar de Barents, nos Estados Unidos, zona econômica exclusiva da Rússia.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *