A incrível jornada brasileira de François Picchu

emperrado : Esta é a palavra inventada pelo jornalista François Picchu, ofegante, após improvisar o samba, às 7h30 da manhã, às margens do Rio São Francisco, um dos maiores rios brasileiros com o Amazonas. Ryo está começando a descer ao oceano para este episódio sem precedentes deNo fim o mar. Em português (a língua oficial do Brasil, falada por sua população de 213 milhões), a palavra “cansado”, “exausto”, até “queimado” é preferencialmente traduzida como esgutado ou kansado, mas kramado adiciona um toque de charme a esse improvável sequência., onde um grande mundo vestido de preto do rúgbi ruge e aperta as mãos, entre dançarinos com chapéus panamá e dançarinos vestidos com cores cintilantes. Tanto para o ponto de partida desta viagem, o Rio São Francisco de 3.160 quilômetros de extensão, um rio que deságua no Oceano Atlântico entre as cidades de Salvador da Bahia e Recife. Era hora de encontrar um barco, uma barra de metal de Manuel, e aqui François Picchu se viu encarregado de girar a manivela de um motor contraproducente, mas eficiente, que o arrastaria então para as águas surpreendentemente transparentes deste rio. São Francisco tem pelo menos outros dois nomes: o primeiro, um tanto carinhoso, Filho Chico (“Chico Velho”), para quem o usa diariamente, e o segundo, Opara (“rio”), na língua materna. Índios que viveram na orla de suas margens.

“Fumado” pelo xamã

O português de François não vai melhorar ao longo da viagem: para se entender, ele confunde francês, italiano e espanhol (“Ciao!”, “Bellisima!”). Mas ele, barco a barco, também se transforma em encontros repentinos, às vezes hilários. Na pacata cidade de Petrolina, um morador lhe entrega uma pequena karanka de madeira entalhada, o equivalente a uma estátua de gárgulas típicas do rio São Francisco: “Você vai ver, vai gemer se chegar perto do perigo … Além disso, em terras indígenas, Francisco se vê literalmente fumado por um pagé, que equivale a um xamã: uma celebração de sua bênção, cura e proteção dos espíritos ao longo de sua navegação. Mas uma das sequências mais engraçadas, é um encontro com vaqueiros, vaqueiros brasileiros. No pó e, sob o calor, tendo engolido, mórbidamente, uma honrosa dose de conhaque local, aqui François é convidado pelos seus novos amigos a vestir o seu traje tradicional, uma espécie de armadura e um pequeno cabedal capacete, antes de ir pastar o gado a cavalo e moinhos para lutar, o jornalista se vê arrastado Um cavalo a galope … que ele acabará por dominar, sob o olhar atento dos fãs de Vakeru. “Você fez bem, você nos deslumbrou,” Mesmo um deles vai cair.

See also  Confirmada, Mary Portolano está de volta ao futebol

No final, é o mar: segunda-feira, 2 de agosto, 20h50, hora da França, 5

Frederic Rabelle

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *