A herança portuguesa de Goa tende a desaparecer após 60 anos no rebanho da Índia

O pequeno estado costeiro de Goa afastou-se quase completamente do património cultural legado pelos 450 anos de colonização portuguesa, cuja língua e património arquitectónico estavam em vias de desaparecer após 60 anos no aprisco da Índia.

Casas dilapidadas e o crescente domínio cultural de Bollywood pressagiam o apagamento da história colonial de Goa e o esquecimento desta língua portuguesa que antes proporcionava acesso a um status social elevado e uma afinidade com o poder.

Lauren Alberto, professora de português na Universidade de Goa, observa que cada vez menos jovens no estado fazem seus cursos. A maioria de seus alunos agora vem de outras partes da Índia.

“Meus filhos não falam nada”, disse a professora indiana de 46 anos à AFP. “Eles simplesmente não veem o sentido de aprender.”

Quando a Índia se libertou do Império Britânico em 1947, muitos residentes de Goa exigiam simultaneamente o fim da presença portuguesa. E quando as forças indianas assumiram o estado em 1961 para integrá-lo ao resto do país, as testemunhas ficaram surpresas com a transformação imediata. Foi nojento.

“Foi muito estranho (…) tudo mudou tão rápido”, lembra Honorato Filho, diretor de escola aposentado. O jovem de 78 anos morava no bairro do avô de Antonio Costa, atual primeiro-ministro português, e lembra com carinho sua infância acalmada por influências europeias mescladas com idiossincrasias locais.

– ‘Nossas cápsulas de cultura’ –

“Minha esposa e eu ainda falamos português por hábito, mas nunca falamos com nossos filhos”, disse Filho à AFP. Em todo o estado, as casas coloniais portuguesas estão em mau estado, muitas delas destruídas para dar lugar a edifícios de apartamentos. O desaparecimento gradual dos típicos terraços cobertos e janelas de concha, para suavizar o eco do sol, não é apenas uma perda para o patrimônio arquitetônico, segundo a escritora Heta Pandit, a especialista em arquitetura goaiana que se esforça para preservar.

See also  Marco Silva is a candidate for the title of best coach in the English Premier League

“Estas casas são testemunhos da história de Goa, são cápsulas da nossa cultura”, afirma. A Sra. Pandit acrescenta: Apenas um pequeno punhado de prédios selecionados será salvo da destruição e do desenvolvimento.

A filha de Goa, Sonia Chersat, de 40 anos, é hoje a voz maravilhosa do fado, uma tradicional canção triste portuguesa salpicada de guitarra, que surgiu no início do século XIX e é classificada pela UNESCO como Património Cultural Imaterial.

Durante um concerto ao ar livre numa aldeia costeira de Goa, perante algumas dezenas de espectadores, a cantora aproveita para explicar o significado de cada título do seu concerto, sabendo que grande parte do público não conhece ou não entender nada. Português.

Ela própria, na adolescência, recusou-se a aprender o português, mas agora está a imortalizar o fado em Goa e a convidar as novas gerações a seguirem os seus passos.

– Fado e Sitar –

“Minha mãe tentou me ensinar o idioma, mas isso não me interessou”, disse ela à AFP. Tudo mudou quando, ainda jovem, conheceu um guitarrista português que considerou a sua voz “rica e aveludada” perfeita para o Fado. Depois saí de Goa para Lisboa onde aprendi fado. Em 2008, foi a primeira fadista indiana a actuar a solo.

Desde então, Sonia Shirsat Vadoha tem sido cantada em todo o mundo, que ela às vezes gosta de misturar misturando instrumentos musicais tradicionais indianos como a cítara que o grande mestre indiano Ravi Shankar ajudou a divulgar no Ocidente.

Todas as canções do Fado estão naturalmente imersas na nostalgia, mas em Goa carregam um eco único de duas épocas. “O Fado não é apenas sobre o que perdemos, mas também sobre o que vai acontecer”, diz a cantora, “Faz parte da vida de Goa há mais de 100 anos. Se não o preservarmos, significa destruir uma parte de Goa. quem nós somos.”

See also  "Aliou Cissé mène un combat pour plus de visibilité des entraîneurs africains" (Kamou Malo)

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *