A França se safou e Portugal quebrou o congelamento da privacidade online

Embaixadores da UE chegaram وصل comprometimento sobre a reforma da privacidade eletrônica após quatro anos de impasse, abrindo caminho para a abertura de negociações com o Parlamento Europeu sobre o texto final.

“O caminho para o cargo de chanceler não tem sido fácil, mas agora temos um mandato que estabelece um bom equilíbrio entre a forte protecção da privacidade pessoal e a promoção do desenvolvimento de novas tecnologias e da inovação”, afirmou o Ministro das Infraestruturas e Habitação de Portugal. Pedro Nuno Santos, quarta-feira, 10 de fevereiro, cujo país detém a presidência rotativa da União Europeia,

O novo Regulamento de Privacidade Eletrônica, proposto pela Comissão Europeia em 2017, visa harmonizar a legislação em todo o bloco e proteger os usuários de retenção de dados e tecnologias de rastreamento comportamental, como cookies.

Mas o acordo alcançado pelos Estados membros esta semana foi criticado pela sociedade civil por permitir “vigilância em massa” sob as leis nacionais de retenção de dados. Esta é uma questão importante para a França.

A nova lei atualizará a estrutura existente de 2002, que foi alterada em 2009, e exige consentimento prévio para usar cookies e receber um nome Lei de Cookies da UE.

Os cookies desempenham muitas funções, desde armazenamento de nome de usuário e senha até monitoramento dos hábitos online dos usuários e publicidade direcionada.

A posição do Conselho afirma que o acesso ao equipamento terminal dos utilizadores do site, necessário para a instalação de cookies, só é permitido, em princípio, mediante consentimento.

No entanto, o hack também introduz novas exceções, por exemplo, ao instalar atualizações de segurança, medir audiências ou atualizar software.

O novo regulamento também estende as regras de confidencialidade para provedores de comunicações tradicionais, para serviços baseados na Internet, como WhatsApp ou Zoom, e serviços que envolvem transmissão automática de dados, como rastreadores de atividade física e outros dispositivos “Internet”.

See also  O serviço de reality shows Hayu chega ao Xbox em 22 regiões

Conseqüentemente, qualquer interferência, incluindo espionagem, monitoramento e processamento de dados por qualquer pessoa que não seja o usuário final, é proibida.

França vs Alemanha

Enquanto a Comissão Parlamentar para a Reforma da Privacidade da Internet tomava uma posição rápida, os Estados membros passaram quatro anos tentando chegar a um acordo sobre uma abordagem comum.

Parte da razão é que a França tem lutado para garantir que a vigilância em massa seja legal (sob a Lei Nacional de Retenção de Dados), enquanto a Alemanha tem defendido fortes salvaguardas e confidencialidade.

“Uma parte decidiu proteger a privacidade, enquanto a outra queria transformar a reforma da privacidade eletrônica em uma caixa de ferramentas de monitoramento”, disse Estelle Masset, da ONG Access Now, alertando que os resultados das negociações do conselho mostram que “a França se safou. ”

“A linguagem proposta pela França, que visa dar às autoridades públicas mais liberdade para armazenar e usar dados, foi adicionada à proposta final”, acrescentou.

Portugal é a nona presidência consecutiva da União Europeia a trabalhar na área da privacidade eletrónica.

O Conselho e o Parlamento podem agora iniciar as negociações sobre o texto final, o que poderá demorar meses, uma vez que a posição dos eurodeputados regressa à última legislatura e se prevê que o lobby se intensifique.

Este regulamento tem como base os requisitos estabelecidos nas Regras Restritas de Proteção de Dados (GDPR), garantindo a confidencialidade das comunicações eletrónicas, quer contenham ou não dados pessoais.

falhas, panes

No entanto, ativistas de privacidade e alguns deputados do Parlamento Europeu criticaram a reforma por ser inconsistente com os princípios básicos do GDPR, como “privacidade desde a concepção” e por padrão (proteção da privacidade pela tecnologia desde a concepção), que foram omitidos no texto do aviso.

See also  Foix: Sílvia Pérez Cruz em show na Estive no dia 6 de outubro

Não garante a confidencialidade desde a fase de concepção. [and] Diego Naranjo, da ONG European Digital Rights com sede em Bruxelas, disse:

O MEP Green MEP Patrick Breyer, por sua vez, criticou a proposta, dizendo que “os governos europeus estão tentando sequestrar esta reforma para legalizar a retenção compulsória e voluntária de dados e controle coercitivo de nossas atividades online.”

“As proteções existentes para dados de comunicação não devem ser relaxadas”, acrescentou, alertando que negociar esses conceitos básicos não tem sentido.

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *