A economia europeia vê alguma luz no fim do túnel

Bruxelas reduziu sua previsão de crescimento para a economia europeia em 2021 na quinta-feira, citando o fortalecimento das medidas de contenção em face da pandemia, mas está contando com uma recuperação mais forte do que o esperado a partir do verão graças às vacinas.

O comissário europeu para a Economia, Paolo Gentiloni, resumiu durante uma entrevista coletiva: “A situação econômica ainda é difícil neste inverno (…), mas agora a luz aparece no fim do túnel.”

Para o ano corrente, a previsão do Gabinete Executivo Europeu apresentada na quinta-feira foi ligeiramente menos positiva do que a previsão do outono passado.

Relativamente aos 19 países da zona euro, a Comissão espera um crescimento económico de 3,8% em 2021 (contra 4,2% até agora esperados), após o declínio histórico de -6,8% em 2020.

Em 2022, o crescimento do PIB deve voltar a atingir 3,8%, o que é uma melhora acentuada em relação à projeção de 3% em novembro.

A chegada das vacinas, em particular, permite esperar uma recuperação mais forte a partir do verão e do próximo ano. Gentiloni enfatizou que a economia da UE deve repentinamente retornar ao seu nível pré-crise “no segundo trimestre de 2022, mais rápido do que o esperado.”

Bruxelas justifica a crise econômica nas últimas semanas com o necessário fortalecimento das medidas de contenção em muitos estados membros para conter a disseminação de variantes mais contagiosas do Coronavirus.

As projeções de carências futuras baseiam-se em um cenário de redução dessas medidas “no final do segundo trimestre e mais claramente no segundo semestre, quando as pessoas mais vulneráveis ​​e uma proporção crescente da população adulta foram vacinadas ”, Explicou Paolo Gentiloni.

– ‘Incerteza e risco’ –

See also  Bélgica elimina o atual campeão Portugal

Com isso, alertou, “a incerteza e os riscos continuam extremamente elevados” quanto ao desenvolvimento da epidemia, destacando a importância das campanhas de vacinação.

Para o conjunto dos 27 países da UE, as projeções numéricas seguem a mesma tendência. Bruxelas espera um crescimento de 3,7% em 2021 (contra 4,1% esperado anteriormente), e 3,9% em 2022 (contra 3%).

No entanto, a Comissão disse que “o ritmo de recuperação variará significativamente entre os países.” Alguns já foram afetados pela epidemia ou têm uma economia mais dependente do turismo, como Espanha, Portugal e Grécia.

Bruxelas espera um crescimento de 5,5% (-0,3 pontos) na França em 2021, depois de 4,4% (+1,3 pontos) em 2022, ante -8,3% no ano passado.

Para a Alemanha, a maior economia da Europa, a Comissão espera um aumento do PIB de 3,2% e 3,1%, respetivamente, após -5%.

Paolo Gentiloni especificou que não é improvável que descarta uma boa surpresa porque estes números não levam em conta o enorme fundo de estímulo de 750 bilhões de euros, cujo primeiro pagamento está previsto para o segundo semestre do ano.

A economia portuguesa depende em grande medida do turismo, que tem sido afetado pelo vírus. (AFP – Carlos Costa)

Por um lado, inclui o impacto do Brexit de 0,5 pontos de crescimento no final de 2022, inferior ao previsto, graças à celebração de um acordo comercial entre a União Europeia e o Reino Unido.

Outro motivo de esperança é a volta da inflação. Deve chegar a 1,4% este ano na zona do euro, após apenas 0,3% no ano passado. Os preços ao consumidor subiram em janeiro, após cinco meses consecutivos de recessão, o que gerou preocupações sobre a saúde da economia.

See also  Corse Composites Aéronautique: Rumo a uma nova luta

As previsões da Comissão desempenham um papel importante na definição das políticas económicas europeias.

A União Europeia suspendeu no ano passado o freio da dívida dos Estados-Membros para lhes dar liberdade para gastar e combater os efeitos recessivos da epidemia.

Mas essa medida é temporária e será suspensa assim que a economia se recuperar. “Tomaremos uma decisão nas próximas semanas, na primavera”, disse Gentiloni, referindo-se à continuação das medidas de flexibilidade.

“O que nossas projeções mostram claramente é que as dificuldades econômicas que enfrentamos não vão acabar em 31 de dezembro deste ano”, disse.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *