A Apple, em sua luta contra a pornografia infantil, está reacendendo o debate sobre privacidade de dados

Ferramentas reveladas pela Apple para revelar melhor as imagens sexuais das quais as crianças participam reacenderam o debate sobre criptografia de dados e privacidade, com alguns temores de que novas tecnologias possam ser usadas por governos.

Para fabricantes de iPhone, iPad e iMac, a iniciativa visa proteger os mais jovens de fraudadores que operam na Internet.

Foi, acima de tudo, um grande ponto de viragem para a empresa, que até agora tem enfrentado qualquer pessoa que tenha tentado contornar o seu sistema de encriptação para obter acesso a mensagens privadas.

Em uma nota técnica, a Apple enfatizou que uma das ferramentas problemáticas de detecção de imagem, desenvolvida por especialistas em criptografia, era “segura e expressamente projetada para preservar a privacidade do usuário”.

Ele deve permitir que as fotos carregadas em seu servidor iCloud sejam comparadas àquelas armazenadas em um arquivo gerenciado pelo Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas (NCMEC) sem acesso direto à foto.

Mas especialistas em criptografia e privacidade temem que ela possa ser usada para outros fins.

“Esse tipo de ferramenta pode ser muito útil para encontrar pornografia infantil nos telefones das pessoas. Mas imagine o que isso poderia fazer nas mãos de um governo autoritário?” Perguntou Matthew Green no Twitter, um especialista em criptografia da Universidade Johns Hopkins.

Outra ferramenta desenvolvida pela Apple, que pode escanear fotos recebidas por menores ou enviadas via iMessages, pode ser o primeiro passo para abrir “portas dos fundos” em iPhones que podem ser usados ​​por hackers ou governos. Os especialistas também estão preocupados.

– Criminosos e terroristas –

“Haverá uma tremenda pressão sobre a Apple por parte de governos de todo o mundo para estender essa capacidade de detecção a outros tipos de + conteúdo ruim, e um grande interesse de hackers de todas as escalas em encontrar maneiras de derrotá-lo.” Matt Blaise, pesquisador de informática e criptomoeda na Universidade de Georgetown.

See also  Quando o Venom muda da história em quadrinhos para os videogames

A Apple não irá apenas verificar os dados hospedados em seus servidores, mas também aqueles armazenados no próprio telefone, ele lamenta. Portanto, “o grupo tem potencialmente acesso a todos os seus dados”.

Essas novas ferramentas estarão disponíveis nos Estados Unidos à medida que os vários sistemas operacionais dos dispositivos da marca Apple forem atualizados.

“As novas proteções para crianças implementadas pela Apple são uma virada de jogo”, disse John Clark, presidente do NCMEC.

Ele se materializa após anos de tensão entre os gigantes da tecnologia e as autoridades.

A Apple se recusou terminantemente a ajudar a polícia a acessar o conteúdo criptografado do telefone celular de um dos autores do ataque que matou 14 pessoas no final de 2015 em San Bernardino, Califórnia.

Para os oficiais do FBI, o fato de as mensagens serem criptografadas de ponta a ponta e só poderem ser lidas pelo remetente e pelo receptor, na verdade, protege criminosos e terroristas, mesmo quando as autoridades têm um mandado de busca e apreensão.

– Sigilo –

O próprio Facebook está atualmente estudando uma forma de usar inteligência artificial para analisar o conteúdo das mensagens sem decodificá-las, de acordo com a The Information.

Por outro lado, Will Cathcart, chefe do aplicativo de mensagens WhatsApp comprado pelo Facebook, vê a abordagem da Apple como “ruim” e é “um revés para a privacidade das pessoas ao redor do mundo”.

Na sexta-feira, ele escreveu no Twitter que o sistema “pode apagar todas as fotos privadas do seu celular (…). Não é confidencial”.

“Como as verificações são feitas diretamente no dispositivo, ele tem a capacidade de contornar qualquer criptografia que supostamente proteja a privacidade do usuário”, é abundante na carta aberta contra a tecnologia da Apple, que está circulando online e assinada por mais de 4.200 pessoas e organizações.

See also  Tim Cook se lembra de Steve Jobs em seu 66º aniversário

Os proponentes da criptografia argumentam que as autoridades já têm acesso a um conjunto completo de “rastros digitais” para rastrear atividades mal-intencionadas e que qualquer ferramenta que possa desbloquear a criptografia pode ser explorada por agentes mal-intencionados.

Para James Lewis, do Center for Strategic and International Studies, as novas ferramentas da Apple permitem identificar conteúdos problemáticos sem ter que enviá-los diretamente às autoridades.

Isso, sem dúvida, não será suficiente aos olhos das agências governamentais.

“A Apple fez todos os esforços para encontrar um equilíbrio entre segurança pública e privacidade, mas isso não é o suficiente para algumas das questões de segurança mais difíceis”, disse Lewis.

You May Also Like

About the Author: Octávio Florencio

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *