650.000 crianças na África receberam sua primeira vacina contra malária

(Genebra) A Organização Mundial da Saúde disse que após a introdução da primeira vacina contra a malária em um programa piloto histórico no Malaui, Gana e Quênia, cerca de 650.000 crianças receberam esta vacina, à medida que o progresso no controle da doença estagnou.


France Media

Em última análise, esta vacina, junto com outras medidas preventivas, pode salvar dezenas de milhares de vidas anualmente, disse a Organização Mundial da Saúde, cujos especialistas devem decidir em outubro.

RTS, S é uma vacina que atua contra um parasita transmitido por mosquitos (Plasmodium falciparum), que é o parasita mais mortal do mundo e o mais prevalente na África.

Desde 2019, 3 países na África Subsaariana, Gana, Quênia e Malaui começaram a introduzir a vacina em áreas selecionadas onde a transmissão da malária é moderada a grave. Em nota, a Organização Mundial da Saúde informou que dois anos após o início desse primeiro teste em tamanho real no mundo, 1,7 milhão de vacinas poderiam ser administradas.

“Gana, Quênia e Malaui estão mostrando que as plataformas de imunização existentes para crianças são eficazes na distribuição da vacina contra a malária para crianças, algumas das quais não tiveram acesso a mosquiteiros tratados com inseticida ou outras medidas. Prevenção da malária”, disse Kate O’Brien, diretor da Divisão de Imunizações e Vacinas da OMS.

Esperanças

Ela acrescentou que esta vacina, que requer 4 doses até cerca de dois anos de idade, “pode ser a chave para tornar a prevenção da malária mais justa e salvar mais vidas”.

Em dois anos, 650.000 crianças se beneficiaram com a vacina. Para a Organização Mundial da Saúde, esse número nesse período relativamente curto é um sinal de alta demanda pela vacina.

READ  The mystery at the heart of the Milky Way Galaxy: Astronomers swing years later above the clouds at the center of the galaxy

Para a África, onde a malária mata centenas de milhares de pessoas todos os anos, esta vacina é sinônimo de esperança, especialmente com as crescentes preocupações sobre a resistência da malária ao tratamento.

Em 2019, o número de novas infecções atingiu quase 229 milhões, número que se manteve relativamente estável nos últimos quatro anos. Desde 2018, a taxa de mortalidade estagnou em cerca de 400.000 pessoas a cada ano, das quais mais de 265.000 são crianças.

Produzida pela gigante farmacêutica britânica GSK, a vacina “RTS, S” é a primeira e única vacina até o momento a ter demonstrado sua eficácia na redução drástica do número de casos de malária, incluindo malária grave e com risco de vida, em crianças.

Em maio de 2018, as autoridades reguladoras nacionais em Gana, Quênia e Malaui autorizaram seu uso em áreas-piloto.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que em cooperação com a OMS pode aconselhar sobre medicamentos não destinados ao uso na União Europeia, concluiu em 2015 que a vacina é de alta qualidade e seu perfil de riscos e benefícios é favorável.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, os ensaios clínicos de fase 3 demonstraram que a vacina, quando administrada em 4 doses, previne 4 em cada 10 casos de malária e 3 em cada 10 casos de malária grave com risco de vida.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *