Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Startup de investigador do IPL conquista financiamento europeu para PME altamente inovadoras

A TWEVO, startup criada por Carlos Ribeiro, docente e investigador do Departamento de Engenharia Eletrotécnica da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Politécnico de Leiria (ESTG/IPLeiria), é um dos vencedores do financiamento europeu SME Instrument, um veículo de financiamento do Horizonte 2020 que selecciona os projectos mais inovadores e disruptivos, com elevado potencial de criar novos mercados ou revolucionar existentes, no âmbito das pequenas e médias empresas (PME) de toda a Europa. Nesta seleção, a Twevo ficou em quinto lugar entre mais de 650 candidaturas de toda a Europa.

Carlos Ribeiro explica que «o projecto foi apresentado directamente à Agência Europeia para as PME e consiste num modem sem fios para comunicar com robôs e drones, que foi desenvolvido no âmbito da minha investigação de pós-doutoramento, no Politécnico de Leiria». Já em 2016 o projecto havia sido distinguido, quando Carlos Ribeiro e Eduardo Castañeda foram uma das equipas vencedoras do programa Carnegie Mellon Portugal Entrepreneurship in Residence (inRes) 2016, com o modelo de negócio de base tecnológica, focado em links avançados sem fios para veículos profissionais remotos.

«Construímos um modelo de negócio para uma startup que desenvolve links sem fios avançados, direccionados aos segmentos UAV/UGV profissionais. A nossa tecnologia responde efectivamente às necessidades identificadas no mercado», salienta Carlos Ribeiro. «Estas ligações sem fios são adaptáveis aos requisitos dos clientes, e desafiam os limites do que está actualmente disponível no mercado, já que permite que novas aplicações transmitam enormes quantidades de informação em tempo real», justifica, acrescentando que «o período em que estivemos nos EUA permitiu-nos validar as necessidades do mercado e obter um conhecimento aprofundado dos requisitos dos clientes deste país, trabalho que iremos fazer agora também na Europa».

Durante o processo de candidatura, Carlos Ribeiro recebeu aconselhamento da parte do Gabinete de Promoção do Programa-Quadro, que tem tutela da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e da Agência Nacional de Inovação, e que em Portugal promove a participação das empresas neste programa de financiamento europeu.

Este financiamento trata-se da primeira fase do SME Instrument, em que a Twevo irá receber financiamento para fazer uma avaliação do mercado e obter feedback relativamente à aceitação e potencial do produto. Numa segunda fase, a Twevo poderá candidatar novamente o projecto a financiamento para posterior colocação no mercado.

A Twevo foi criada em fevereiro de 2017, é liderada por Carlos Ribeiro, sócio-gerente, e conta ainda com um segundo sócio investidor, Mónica Figueiredo (igualmente docente no Departamento de Engenharia Eletrotécnica da ESTG/IPLeiria). Está sedeada na Incubadora Instituto Pedro Nunes, em Coimbra.

Fonte: IPL

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.