Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Comprar casa em Leiria: viver e trabalhar no município “certo” pode poupar 18 anos de trabalho

No distrito de Leiria, a escolha de viver e trabalhar num município em detrimento de outro poderá levar a uma poupança de 18 anos de trabalho, para as famílias que pretendem ter casa própria. Os números são da plataforma ComparaJá.pt, que procurou analisar o valor máximo de financiamento que um casal poderá solicitar para comprar casa em cada município de Portugal sem pressionar a sua taxa de esforço.

Analisando ao detalhe a realidade do distrito de Leiria, e tendo em conta o salário e o preço do metro quadrado médios na Nazaré e em Óbidos, verifica-se por exemplo que um casal que solicite um crédito à habitação a 30 anos conseguirá adquirir, considerando o valor máximo de financiamento para a sua taxa de esforço mensal, um imóvel de 136 metros quadrados e 135 metros quadrados, respectivamente.

Por outro lado, se esse mesmo casal habitasse e trabalhasse num dos concelhos com o preço do metro quadrado mais baixo, como Castanheira de Pêra, conseguiria adquirir um imóvel com 297 metros quadrados. Por último, se esse mesmo casal habitasse e trabalhasse em Leiria, e considerando um valor de financiamento máximo de 147.249 euros, conseguiria adquirir um imóvel de 219 metros quadrados.

“À semelhança do que devem fazer relativamente às opções de financiamento – comparando propostas de crédito à habitação de todo o mercado e não apenas do seu banco – antes de tomar qualquer decisão, os consumidores têm de se informar em detalhe sobre as localizações mais competitivas para comprar casa, complementando as propostas apresentadas pelas agências imobiliárias com pesquisas nos vários portais online dedicados a este sector”, salienta o director geral da plataforma de comparação.

“Aliando a escolha da zona mais competitiva a uma boa negociação das condições do seu empréstimo, os portugueses poderão poupar facilmente várias dezenas de milhar de euros”, conclui o responsável.

Em média, as famílias portuguesas precisam de 25 anos de trabalho para comprar casa

As conclusões do estudo deste portal independente – que disponibiliza ferramentas de comparação de produtos de crédito e pacotes de telecomunicações – apontam para o facto de, em média, as famílias nacionais necessitarem de 25 anos de trabalho para comprar casa (exemplo de habitação com 120 metros quadrados), sendo quatro dos quais correspondentes à poupança para a entrada inicial do empréstimo, caso dediquem a esta finalidade um terço do total dos seus rendimentos mensais.

 Se os distritos do Interior se destacam pela positiva, exigindo a aquisição de habitação, em média, apenas 15 anos de trabalho, as realidades do Algarve (42 anos), Lisboa (36 anos) e Madeira (28 anos) deixam em evidência as disparidades entre os salários e o preço médio por metro quadrado em algumas regiões do nosso país.

O estudo do ComparaJá.pt teve como base os dados do Instituto Nacional de Estatística relativos ao valor do salário médio por município e os dados do Barómetro Nacional de Imobiliário (SAPO) respeitantes ao preço do metro quadrado em cada um dos municípios no primeiro trimestre de 2017. A partir destes valores, a plataforma procedeu ao cálculo das mensalidades do crédito à habitação tendo em conta o spread mínimo médio actualmente praticado no mercado português, que ronda 1,75%.

 

 

 

 

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.