Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Número de falências em Leiria recua 6% em 2013

O distrito de Leiria assistiu, em 2013, à insolvência de 326 empresas, o que representa uma queda de 6% face ao ano anterior em linha com a tendência de descida a nível nacional. Leiria apresentou-se como sexto distrito com maior número de insolvências (com um peso 5,4%), a seguir a Lisboa (23,1%), Porto (22,7%), Braga (10,7%), Aveiro (7,1%) e Setúbal (6,2%). No conjunto desses cinco distritos, apenas Setúbal e Lisboa viram aumentar o número de insolvências, em 2% e 14%, respectivamente. Os números fazem parte do estudo anual “COSEC Insolvências 2013”.

Já no total do país contabilizaram-se um total 6.030 insolvências de empresas, o que representa uma diminuição de 10% face a igual período do ano anterior. As microempresas foram as mais afectadas, representando 67% do total de empresas insolventes. A categoria de empresário em nome individual representou, no ano em análise, um total de 10% do número de insolvências em Portugal.

Construção, serviços e retalho foram os sectores mais afectados

Os três sectores de actividade mais afectados pelo desaparecimento de empresas foram os mesmos que no ano anterior, apesar de registarem evoluções distintas: construção com 1539 casos, representando 26% do número total de insolvências de empresas (-17% que em 2012); serviços com 1153 casos, representando 19% (+14% face a 2012), e retalho, com um total de 1035 registos de insolvências, representando 17% (-5% que em 2012).

De entre estes três sectores, o sector dos serviços é o único que regista crescimento face a 2012 (+14%), com um grande enfoque para o subsector da restauração e hotelaria que representa a maior fatia de insolvências registadas neste sector.

No caso do retalho, destaca-se o peso de subsectores como os de comércio a retalho de bens industriais, que representam 224 empresas em 2013 (22% do total de insolvências deste sector), essencialmente relacionados com materiais de construção. Segue-se o comércio a retalho de produtos têxtil e calçado com 192 registos (19%), o de comércio não especializado e o comércio a retalho de bens alimentares com 176 e 174 registos, respectivamente (ambos representando 17% do total do sector).

16% dos Processos Especiais de Revitalização tiveram insolvência confirmada pelo Tribunal

O estudo da Cosec regista ainda a entrada de 1.021 Processos Especiais de Revitalização, dos quais 16% tiveram situação de regime de insolvência confirmada por declaração do Tribunal. Os sectores que registaram maior número de pedidos de acesso ao PER são os mesmos que integram os três sectores com maiores registos de insolvências confirmadas, nomeadamente, a construção (314 empresas em PER), serviços (175 empresas em PER) e retalho (119 empresas em PER).

«O ano 2013 confirmou as nossas expectativas de melhoria do indicador após um longo período de agravamento consecutivo do número de insolvências de empresas. Muitas foram as empresas nacionais que conseguiram encontrar formas de ultrapassar as adversidades e alcançar sucesso além-fronteiras. Sentimos que as empresas nacionais têm demonstrado um grande esforço para ultrapassar obstáculos, procurando diversificar as suas actividades e explorar outros mercados. É com expectativa que aguardamos os resultados para este ano, contando que a evolução possa ser mais animadora», explica Berta Dias da Cunha, administradora da COSEC, no comunicado emitido pela empresa de seguro de créditos.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.