Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Saída do euro pode custar até 11.500€ por pessoa no 1º ano

A saída de um pequeno país do euro podia custar entre 9.500 e 11.500 euros por pessoa nesse país no primeiro ano, estimou hoje o banco UBS, que alertou para possibilidades de guerra nesse caso.

“O custo de um país fraco sair do euro é significativo. As consequências incluem incumprimento soberano, incumprimento de empresas, o colapso do sistema bancário e o colapso do comércio internacional”, escreveu o banco suíço num documento com o título “A separação do euro – As consequências”.

Nos anos a seguir à saída do euro, as pessoas de um país nessa situação teriam de pagar entre três a quatro mil euros anualmente, com “poucas perspetivas de a desvalorização [da moeda] oferecer muita ajuda”, alertou a instituição, que fez a ressalva de que as probabilidades do desaparecimento do euro são perto de zero.

Os custos económicos seriam o menor dos males para os investidores em caso de rotura da moeda única, explicaram os analistas do UBS, lembrando que nenhuma união monetária moderna se separou “sem alguma forma de governo autoritário ou militar, ou guerra civil”.

O UBS é bastante claro na análise que faz da situação atual: “O euro não devia existir como está constituído neste momento”, uma vez que acarreta “mais custos económicos do que benefícios para, pelo menos, alguns dos seus membros”.

Por outro lado, o banco suíço estimou que o preço da saída da Alemanha do euro seria de seis a oito mil euros por ano para cada cidadão daquele país, só no primeiro ano.

“Acreditamos que um tipo de união fiscal (ou ‘confederação fiscal’, que tem uma sonoridade reconfortantemente suíça) vai ser precisa para salvar o euro”, consideram os autores do documento de pesquisa do banco, que lembram que os custos económicos de separar a zona euro são “altos e extremamente danificadores”, enquanto os políticos são demasiado grandes para quantificar.

Os analistas do UBS concluem o documento com uma pergunta aos investidores: “Como podem os investidores investir se acreditarem numa separação, mesmo que de baixa probabilidade? A resposta simples é não podem” e se acreditarem mesmo nesse acontecimento então a solução é não possuir bens em euros de todo, respondem.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.