Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Pagamentos em atraso no Estado ultrapassam os 4 mil milhões

As autarquias e os hospitais EPE lideram a lista dos pagamentos em atraso no setor público verificados em junho deste ano, que ascende a 4.051 milhões de euros, revelou hoje a Direcção Geral do Orçamento (DGO).

De acordo com a informação publicada no site da DGO, o atraso incide sobre as faturas correspondentes “ao fornecimento dos bens e serviços após o decurso de 90 dias, ou mais, sobre a data convencionada para o pagamento da fatura ou, na sua ausência, sobre a data constante da mesma”.

A administração local (as autarquias) lidera a lista que apresenta os pagamentos em atraso do setor público no valor de 1.633 milhões de euros.

A ocupar o segundo lugar na lista de devedores estão os hospitais com regras de gestão empresarial (Entidades Públicas Empresariais – EPE), com uma dívida de 1.345 milhões de euros, montante a que acresce a dívida do subsetor da saúde, integrado nas administrações públicas, cujas faturas em atraso se fixam nos 240 milhões de euros.

A administração regional, ou seja, Madeira e Açores, surge no terceiro lugar da tabela de devedores, com pagamentos em atraso no montante de 634 milhões de euros.

De acordo com a DGO, “o stock dos pagamentos em atraso no fim de junho foi determinado através de um inquérito que abarcou 6157 entidades”.

Acrescenta ainda que ”o inquérito é desagregado segundo os agrupamentos da classificação económica que só são desagregados nas situações necessárias para permitir a consolidação dentro das Administrações Públicas”.

O levantamento dos pagamentos em atraso foi entregue à ‘troika’ – Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu – a 31 de agosto, ao abrigo do acordado no memorando de entendimento.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.