Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Transferências IGFSS para Fundo pensões pararam há 4 meses

As transferências que o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social faz para o fundo que garante o pagamento das pensões no futuro parou há quatro meses, somando menos de 1,4 milhões de euros desde janeiro.

De acordo com o relatório que quantifica a carteira do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social em maio, a que a Lusa teve acesso, as transferências que o Estado faz para assegurar o pagamento das pensões e a sustentabilidade da segurança social no futuro pararam em março, mês em que o valor transferido foi de 1,2 milhões de euros, e em janeiro já não houve lugar a qualquer poupança – em fevereiro foram transferidos 139 mil euros.

No ano passado, as transferências somaram 223 milhões de euros, o que compara com o valor de 515 milhões em 2009 e 1.091 milhões no ano anterior, quase o dobro da soma de 2007 (633 milhões de euros), de acordo com os documentos a que Lusa teve acesso.

Olhando para as transferências feitas nos últimos 48 meses, constata-se que nunca houve uma ausência de movimentações durante quatro meses seguidos, como acontece atualmente. A única altura em que o FEFSS esteve dois meses sem receber verbas destinadas a assegurar o pagamento das pensões no futuro foi em janeiro e fevereiro de 2007, sendo que em março desse ano foram transferidos quase 370 milhões de euros.

A Agência Lusa tem tentado, desde quinta-feira, falar com o responsável do Instituto de Gestão dos Fundos de Capitalização da Segurança Social, Manuel Baganha, mas sem sucesso até ao momento.

Já o Ministério liderado por Luís Pedro Mota Soares evitou comentar em concreto este caso, apostando numa resposta mais genérica: “No ministério estamos a fazer um acompanhamento muito próximo dos organismos que estão na nossa dependência”, afirmou o secretário de Estado Marco António Costa, quando questinado pela Lusa, no domingo, em Esposende.

O responsável governamental admitiu à Lusa manter “reuniões permanentes com o presidente do Instituto de Gestão do Fundo de Capitalização da Segurança Social” e garantiu que o Governo está a fazer um “acompanhamento permanente não só das questões que se prendem com a execução orçamental, mas também com as sub-rubricas da sustentabilidade do sistema”, mas escusou-se a comentar em concreto as questões colocadas pela Lusa.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.