Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Silva Lopes: Nova contribuição «é apenas o começo»

O economistas José Silva Lopes afirmou hoje que a contribuição extraordinária anunciada na semana passada pelo primeiro-ministro “é apenas o começo de uma longa e dolorosa estrada” que Portugal terá de percorrer.

“Isso [nova contribuição] é apenas o começo de uma longa e dolorosa estrada que nós vamos ter de percorrer. Isso cai sobre o décimo terceiro mês das pessoas que têm rendimentos sujeitos a englobamento em IRS, quem recebe juros e dividendos não vai pagar nada”, afirmou Silva Lopes.

O primeiro-ministro anunciou quinta-feira que será criada uma contribuição especial, a vigorar apenas em 2011, que incidirá sobre todos os rendimentos sujeitos a englobamento em sede de IRS (rendimentos de trabalho, mais-valias e pensões por exemplo), que afectarão os rendimentos acima do salário mínimo, que resultará num equivalente financeiro a um corte de 50 por cento no subsídio de natal.

A forma como esta contribuição será aplicada não está ainda completamente explicada, com o primeiro-ministro e o ministro das Finanças a remeterem mais explicações para os estudos técnicos que ainda estão a ser ultimados, mas que devem ser conhecidas nas próximas duas semanas.

A contribuição será criada, segundo o Governo de coligação PSD/CDS-PP, devido à derrapagem orçamental que terão verificado após o INE publicar os valores do défice do primeiro trimestre do ano em contabilidade nacional, que inclui mais dados que a execução orçamental em contabilidade pública, e que é a que conta para Bruxelas para efeito de apuramento de défice.

Estes números apontavam para um défice de 7,7 por cento apenas no primeiro trimestre do ano, e de 8,7 por cento nos 12 meses terminados no final de março, valores não corrigidos de efeitos de sazonalidade.

Questionado sobre a necessidade de novas medidas de austeridade, o antigo ministro das Finanças disse não ter dúvidas que tal irá acontecer.

“Quanto a mais austeridade não tenho dúvidas. Ou reduzimos a despesa ou aumentamos a receita”, acrescentou.
O economista, que já havia deixado várias críticas à falta de resposta da União Europeia sobre a actual crise, defendeu como “fundamental” a emissão de Eurobonds [títulos de dívida europeus], num nível superior às actuais obrigações europeias que são utilizadas para financiar planos de resgate, um orçamento comunitário com maior dimensão e ainda um imposto sobre transacções financeiras, cuja receita fosse encaminhada não para os orçamentos nacionais, mas para o orçamento comunitário.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.