Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Bancos endividaram-se para suportar necessidades do Estado

O presidente da APB, António de Sousa, disse hoje que o endividamento da banca resultou do facto de o Estado ter aumentado o recurso ao crédito por causa da subida das taxas de juro nos mercados internacionais.

No almoço na Associação Comercial de Lisboa, o responsável pela Associação Portuguesa de Bancos (APB) afirmou que o atual nível de endividamento da banca se deve às necessidades de financiamento quer do setor privado (empresas e famílias) quer do público.

«A banca foi o amortecedor de toda a situação, mas foi levada às últimas consequências. A banca endividou-se no exterior para dar crédito à economia e se não fosse assim a crise tinha eclodido mais cedo. O próprio Estado e o sector empresarial do Estado financiou-se grandemente à custa da banca», disse António de Sousa.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.