Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Silva Lopes: devíamos tributar fortemente crédito ao consumo

O economista Silva Lopes considerou hoje que o corte das despesas em Portugal tem de ser feito nos produtos com grande conteúdo de importações, pelo que sugeriu “tributar fortemente” o crédito ao consumo.

“Há que aumentar alguns impostos especiais, por exemplo tributar fortemente o crédito ao consumo”, disse Silva Lopes no decorrer da Conferência “Novas vestes da União Europeia”, organizada pelo Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal, da Faculdade de Direito de Lisboa.

O economista explicou a sua sugestão, argumentando que essa forte tributação iria “libertar” dinheiro que os bancos actualmente estão a negar ao crédito às empresas.

“Os bancos ficariam com mais dinheiro para emprestar às empresas e limitava-se as importações, porque o crédito ao consumo é usado essencialmente para produtos com grande conteúdo de importações, não é para comprar cenouras de Torres Vedras”, disse Silva Lopes.

Para o economista, “a prioridade absoluta de Portugal deveria ser a adopção de medidas que limitem o conteúdo de importações na procura interna”, exemplificando que quando um português compra um automóvel cerca de 80 por cento do dinheiro segue para fora do país.

Silva Lopes: devíamos tributar fortemente crédito ao consumo

O economista Silva Lopes considerou hoje que o corte das despesas em Portugal tem de ser feito nos produtos com grande conteúdo de importações, pelo que sugeriu “tributar fortemente” o crédito ao consumo.
“Há que aumentar alguns impostos especiais, por exemplo tributar fortemente o crédito ao consumo”, disse Silva Lopes no decorrer da Conferência “Novas vestes da União Europeia”, organizada pelo Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal, da Faculdade de Direito de Lisboa.

O economista explicou a sua sugestão, argumentando que essa forte tributação iria “libertar” dinheiro que os bancos actualmente estão a negar ao crédito às empresas.

“Os bancos ficariam com mais dinheiro para emprestar às empresas e limitava-se as importações, porque o crédito ao consumo é usado essencialmente para produtos com grande conteúdo de importações, não é para comprar cenouras de Torres Vedras”, disse Silva Lopes.

Para o economista, “a prioridade absoluta de Portugal deveria ser a adopção de medidas que limitem o conteúdo de importações na procura interna”, exemplificando que quando um português compra um automóvel cerca de 80 por cento do dinheiro segue para fora do país.

Num balanço sobre culpas passadas, o economista disse que “a crise actual não foi só criada por este governo, foi também pelos anteriores” e acrescentou outras entidades que contribuiram para o problema.

“Não foi só o Estado, o problema da dívida é também do endividamento do sector privado e das famílias, ao pedirem empréstimos aos bancos e depois estes a terem de ir buscar dinheiro às instituições lá fora”, sublinhou.

“É muito redutor dizer que esta crise é só culpa deste governo”, disse Silva Lopes, ressalvando porém que também o governo de José Sócrates já deveria ter admitido o recurso à ajuda externa.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.