Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

FMI: Portugal continuará em recessão em 2012

Portugal será a única das economias periféricas da zona euro em recessão no próximo ano, apresentando também os défices correntes mais elevados, segundo as últimas previsões do FMI.

O «Panorama Económico Global» do Fundo Monetário Internacional, hoje divulgado, aponta para uma quebra de 1,5 por cento na economia portuguesa em 2011 e de 0,5 por cento em 2012, quando Grécia, Irlanda e Espanha já deverão apresentar taxas de crescimento entre 1,1 por cento e 1,9 por cento.

Enquanto os défices correntes na Irlanda e, em menor grau, na Espanha, caíram no último ano para níveis mais sustentáveis, no caso de Portugal e da Grécia permanecem «excessivamente altos», respetivamente em 10,4 por cento e 9,9 por cento.

“Há sinais de uma inversão nestes quatro países. Inicialmente ajustaram-se através de uma contração das importações, mas as exportações começaram a contribuir para o ajustamento em 2010”, refere o relatório numa secção dedicada às economias da zona euro pressionadas pelos mercados, que faz uma comparação com a experiência dos países do Báltico no ajustamento pós-crise de 2008.

O «Panorama Económico Mundial» (WEO) hoje divulgado pelo FMI, aponta para um crescimento de 2,4 por cento nas economias desenvolvidas este ano e 2,6 por cento no próximo, muito abaixo do ritmo das economias dos países em desenvolvimento: 6,5 por cento em 2011 e 2012.

Para a gestão da crise nas economias periféricas da Zona Euro, o FMI recomenda reformas que contribuam para o aumento da produtividade e ajustamentos dos custos laborais promovendo negociações salariais descentralizadas, remoção de mecanismos de indexação e redução de custos de despedimento, medidas já a ser implementadas na Grécia e Irlanda.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.