Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

China já emprestou 15 000 milhões de dólares a Angola desde 2002

A China emprestou a Angola cerca de 15 mil milhões de dólares desde o fim da guerra civil, mas receia que os esforços de reconstrução não sejam atingidos por falta de pessoal angolano qualificado, disse o embaixador chinês em Luanda.

“O montante total das linhas de crédito concedidas a Angola por três instituições atinge 14,5 mil milhões de dólares (cerca de 10,5 mil milhões de euros)”, indicou Zhang Bolun, em declarações à AFP.

Em contrapartida, a China tem acesso ao petróleo de Angola, que se tornou no segundo fornecedor de crude logo a seguir à Arábia Saudita.

Por outro lado, as linhas de crédito são condicionadas pelo recurso a empresas chinesas de construção. Cerca de 50 empresas públicas chinesas e 400 sociedades privadas trabalham em Angola e entre 60 a 70 mil chineses vivem no país, segundo o embaixador.

O seu trabalho tem permitido a reabilitação da rede viária, das linhas de caminho-de-ferro, a construção de hospitais e centros de saúde, escolas e habitações, destruídas durante a guerra civil que se seguiu à independência da antiga colónia portuguesa (1975-2002).

Os acordos bilaterais preveem a contratação de pelo menos 30 por cento de angolanos e o recurso massivo a mão-de-obra chinesa é criticado no país, onde a taxa de desemprego é muito elevada.

“As empresas chinesas não podem empregar 30 por cento de angolanos, não é realista”, sustenta Zhang Bolun.
“Nos contratos, temos prazos muito curtos e uma exigência de qualidade. A maior parte dos trabalhadores angolanos não satisfazem estes critérios”, acrescentou.

A China é ainda criticada pela rápida deterioração de alguns edifícios. Em julho, 150 doentes do novo hospital de Luanda tiveram que ser retirados do edifício quando foram descobertas fissuras nas paredes.

O embaixador chinês rejeita as críticas e responsabiliza a falta de mão-de-obra de qualidade em Angola.

“As empresas chinesas constroem e entregam. A distribuição e administração são feitas pelos angolanos”, lembrou.

No entanto, para o embaixador, determinadas infraestruturas comportam “aspetos técnicos essenciais que não podem ser geridos pela parte angolana, mas somente pelos chineses. É um problema”, disse.

Por exemplo, acrescentou, não se pode dizer que foram entregues aos angolanos os estádios construídos para a Copa Africana das Nações de futebol(CAN) 2010, referiu o embaixador.

“O [estádio] de Luanda é pouco utilizado e abriga um equipamento enorme. Sem vigilância, seria pilhado. Por isso, técnicos chineses estão a tomar conta”, adiantou.

Para o embaixador, o mais grave é que os esforços despendidos para reconstruir o país são muitas vezes em vão devido à falta de pessoal.

“Em Angola, há escolas sem professores, hospitais, mas não médicos”, disse, questionando “se não há quadros, médicos e professores, para quê construir escolas e hospitais?

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.