Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Há cinco mil empresas de construção a trabalhar sem alvará

O Sindicato da Construção de Portugal denunciou esta sexta-feira que estão a trabalhar em Portugal cinco mil empresas sem alvará e apelou a uma intervenção urgente do instituto que regula o sector.

«É importante e urgente haver uma intervenção do InCIn – Instituto Nacional da Construção e do Imobiliário em todo o território nacional, já que existem cerca de cinco mil empresas a trabalhar sem alvará, que constroem obras de vão de escada», denuncia o sindicato em comunicado.

Além disso, existem «10 mil empresas a quem devem ser retirados os respectivos alvarás, dada a sua pouca qualificação para operarem no sector, dado não colocarem à disposição dos trabalhadores os meios de protecção, quer individuais, quer colectivos», acrescenta a estrutura sindical.

O alvará é um documento fundamental para que as construtoras possam exercer a sua actividade e tem de ser renovado anualmente.

O Sindicato da Construção de Portugal diz que, com o objectivo de «pôr fim ao trabalhado precário», vai pedir audiências com carácter de urgência ao ministro das Obras Públicas, ao presidente do InCI e ao inspector-geral do Trabalho.

Segundo dados avançados à Lusa pelo InCI em Junho, 1.943 empresas portuguesas de construção viram o seu alvará cancelado este ano.

O sector da construção conta com cerca de 20 mil empresas, responsáveis por 350 mil a 400 mil trabalhadores, segundo dados Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP).

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.