Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Aquacultura em Portugal triplica até 2015, estima ministro

O ministro da Agricultura e Pescas, António Serrano, estima que a produção portuguesa de pescado em aquacultura triplique até 2015, de 7 para 21.000 toneladas, mas admite que a crise económica pode dificultar o “crescimento rápido” do sector.

António Serrano falava aos jornalistas numa visita à zona-piloto para a produção de espécies em off shore (mar aberto), entre a Armona e a Fuseta, frente a Olhão, onde foram hoje introduzidas corvinas pela primeira vez em Portugal.

Segundo o governante, a aquacultura é uma oportunidade de negócio “com muito interesse para Portugal”, embora o contexto económico actual possa “dificultar o crescimento rápido do sector”.

Na concessão, que se estende por 20 quilómetros quadrados, existem 60 lotes para a produção de peixe e bivalves (mexilhões e ostras) em aquacultura, estando já metade atribuídos a investidores privados.
O ministro adiantou que está ainda disponível um “volume financeiro muito substancial” para quem queira operar no sector, uma vez que o Governo incentiva os investimentos através do programa Promar.

Segundo Pedro Pousão, do Instituto Nacional de Recursos Biológicos (INRB), no que respeita à produção de peixe, cada lote tem espaço para instalar entre 8 a 12 jaulas, o que significa que dez jaulas podem originar 1.800 toneladas de peixe por ano.

A dourada e o robalo são as espécies mais escolhidas para a criação em aquacultura, mas agora está também a ser testada, pela primeira vez em Portugal, a criação de corvinas, uma espécie também muito procurada no mercado.

As 750 corvinas transferidas hoje para uma das jaulas oceânicas do Instituto de Investigação das Pescas e do Mar (IPIMAR) nasceram nas estações que o instituto tem em terra e deverão ser retiradas dentro de um ano.

A jaula está situada a cerca de duas milhas da costa e tem uma parte que está à superfície, por onde se alimentam os peixes, tendo a particularidade de afundar completamente sempre que há mau tempo.

Nos próximos dias deverão ser introduzidos gradualmente mais exemplares de corvina naquela jaula, diz Pedro Pousão, que aponta para cerca de 50.000 o número de peixes que em breve ali habitarão.

Este responsável acredita que mais de metade da produção nacional de aquacultura se centre nesta zona algarvia, onde o número de dias com condições favoráveis a que os técnicos ali se desloquem é muito superior à restante costa.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.