Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Trabalho: Portugal entre países com horários menos flexíveis

Portugal é um dos países europeus com menor flexibilidade em termos de duração de tempo de trabalho, revela um estudo divulgado hoje pela Comissão Europeia, que defende regimes de trabalho flexíveis, sobretudo num período de abrandamento económico.

Apontando que o estudo conclui que os regimes de trabalho flexíveis “ajudam tanto os empregadores como os trabalhadores”, e sustentando que, “em períodos de abrandamento económico”, a flexibilidade pode “ajudar as pessoas a manter os seus empregos”, a Comissão apresenta um sumário da situação na Europa que revela que Portugal é dos quatro países com menor flexibilidade.

O documento tem em consideração três indicadores – trabalho em “part-time” (tempo parcial), trabalho em horas-extra, e regime de 48 horas semanais ou mais -, agrupando os países em três divisões – abaixo, dentro ou acima da média comunitária -, chegando à conclusão que “quatro países parecem ser os menos flexíveis, ao apresentarem resultados baixos em todos os três indicadores: Portugal, Lituânia, Chipre e Hungria”.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.