Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

PPR cobram 13 vezes mais em comissões, denuncia DECO

Os planos de poupança-reforma (PPR) praticam comissões de subscrição, em média, 13 vezes superiores às de aplicações idênticas, como os fundos mistos defensivos, denuncia a Proteste Poupança, que analisou 76 produtos.

O estudo revela «diferenças de preços significativas». Com uma polí¬tica de investimentos semelhante, os fundos de investimento mistos cobram uma média de 0,1% por entrega. Já os seguros PPR com capital garantido atingem 1,3%, ou seja, 13 vezes mais.

«O Prévoir PPR, que não aceitou participar no estudo, exige uma comissão máxima de 5,26%: cerca de 53 vezes mais», aponta o estudo.

«As comissões de gestão também são elevadas», sendo que os fundos PPR com maior componente de acções revelam-se mais caros: os neutros prati¬cam uma média de 1,7% e os agressivos de 2%, números mais dilatados do que os 1,2% dos fundos mistos defensivos.

Outro ponto criticado é a falta de segurança. «Há cada vez mais seguros PPR que não garantem o capital. E, em caso de fraude ou falência da se¬guradora, o sistema de protecção pode ser insuficiente para indemnizar o consumidor», denuncia.

«Além de reservas técnicas, deveria existir um mecanismo compensatório independente da seguradora». Já em Novembro de 2009, a proteste Poupança comunicou estas reivindicações ao Ministério das Finanças, ao Instituto de Seguros de Portugal e à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

«Bancos e seguradoras têm alimentado os cofres à conta dos benefícios fiscais», pode ler-se no artigo.

Em 2009, os portugueses depositaram 3,3 mil milhões de euros em PPR. «Num só ano, as segu¬radoras encaixaram 37 milhões de euros mais do que as sociedades gestoras de fundos mistos», revelam as contas da revista.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.