Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Vinhos: em tempos difíceis, virtude é não estar no meio

Mais do que as micro ou as grandes empresas vitícolas, são os produtores médios os mais penalizados pela crise. Demasiado grandes para exploração pelo núcleo familiar, demasiado pequenas para ter massa crítica, as propriedades medianas resistem mal a conjunturas difíceis.

«Quem está mais atrapalhado são as médias empresas. Quando se é muito pequeno e se faz 20 mil garrafas numa quinta que se herdou da família, acaba por se conseguir colocá-las em alguns restaurantes ou garrafeiras onde se tem amigos», disse à agência Lusa Manuel Pinheiro, presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV).

«Uma empresa que vende milhões, é também outra estrutura. Mas o problema é quando se fazem 100 ou 150 mil garrafas: o amadorismo já não chega, mas não se é suficientemente grande para exportar ou para negociar com força com os hipermercados», acrescentou.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.