Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Moçambique vende vidreira abandonada pela B&A por 4 M€

O Governo moçambicano vai adjudicar por cerca de 4 milhões de euros a mais antiga fábrica de vidros do país, abandonada há dez anos pela firma portuguesa Barbosa&Almeida (B&A), anuncia o Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE).

O presidente do IGEPE, entidade que gere o sector empresarial do Estado, Hipólito Hamela, disse hoje em Maputo que estão em curso negociações com um investidor moçambicano, para a alienação da Vidreira de Moçambique.

A Vidreira de Moçambique, situada no Bairro da Machava, arredores de Maputo, foi durante o tempo colonial e a seguir à independência do país, em 1975, referência na produção de vidro para embalagens e loiça de cozinha no país e na África Austral, até sofrer uma interrupção nos anos de 1980, no auge da guerra civil moçambicana.

Em 1996, quatro anos após o fim da guerra civil, a empresa foi alienada à firma portuguesa Barbosa & Almeida, que retomou a produção, mas dois anos depois voltou a parar devido ao abandono pela empresa portuguesa, obrigando o Governo a assumir novamente a gestão da unidade empresarial.

“Não podemos agora dizer o nome da empresa com a qual vamos assinar brevemente o contrato de adjudicação, mas posso adiantar que é nacional. Vamos informar quando isso acontecer, a assinatura do contrato é pública”, disse à imprensa o presidente do IGEPE, à margem do XIII Conselho Consultivo deste organismo.

Segundo dados do IGEPE 27% das 131 empresas participadas pelo Estado moçambicano estão inactivas, 32% a funcionar deficientemente e apenas 41% a operar em pleno.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.