Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

BdP: «problema agudo de liquidez da banca está ultrapassado»

As instituições financeiras que actuam no mercado português conseguiram resistir ao impacto da crise mundial, salienta Pedro Duarte Neves, vice-governador do Banco de Portugal (BdP), estando ultrapassadas as questões relacionadas com a liquidez.

«O problema agudo de liquidez da segunda metade de 2008 e do primeiro trimestre de 2009 está ultrapassado», afirmou Pedro Duarte Neves, vice-governador do Banco de Portugal, realçando que «o programa de garantias e de recapitalização do Estado teve um efeito importante no desanuviar da tesouraria dos bancos».

Foi há precisamente um ano que o Governo avançou com a concessão de garantias pessoais do Estado para o reforço da estabilidade financeira do mercado português, assumindo responsabilidades até 20 mil milhões de euros, de forma a assegurar que os bancos mantivessem o financiamento da economia. Do montante global, apenas seis bancos recorreram à emissão de dívida com garantia estatal, tendo garantido perto de 30% desse valor.

«Na banca portuguesa não havia detenção de activos tóxicos, não houve exposição aos mercados de risco e não houve um boom no mercado imobiliário», explicou o responsável, que recordou «as tensões sobre a liquidez iniciadas no Verão de 2007» provocadas pelo subprime.

Durante os últimos 12 meses, o Banco de Portugal intensificou a supervisão da liquidez, tendo procedido em Agosto à revisão do enquadramento regulamentar da liquidez, aumentou para 8 por cento a recomendação para o rácio ‘Core Tier 1’, que foi seguida por todas as instituições, permitindo os actuais níveis confortáveis de solvabilidade, obtidos quer pela via de aumentos do capital social, quer pela emissão de dívida dos bancos.

«Houve alterações de estratégia dos bancos, face à pequena redução das margens financeiras, por causa da descida das taxas de juros e ao aumento significativo nas imparidades. Houve uma melhoria dos resultados das operações financeiras [motivada pelo aumento dos spreads], uma contracção na procura de crédito e contenção dos custos operacionais», frisou Pedro Duarte Neves, em referência ao estado actual do sector em Portugal.

Em Portugal, foi desenvolvida uma nova metodologia de supervisão, através da introdução do Modelo de Avaliação de Riscos (MAR), do reforço das acções inspectivas on site, da criação de inspecções permanentes junto dos principais grupos financeiros, tendo sido reforçadas as exigências no domínio dos sistemas de controlo interno da banca.

«Foram atribuídas ao Banco de Portugal funções no domínio da supervisão comportamental, tendo em vista a protecção dos interesses dos clientes», recordou Pedro Duarte Neves, apontando ainda para a criação do Conselho Nacional de Estabilidade Financeira (CNEF), para a nova legislação relativa aos mecanismos de gestão de crises, foi proibida a concessão de crédito aos offshores não colaborantes e foram definidas regras sobre políticas remuneratórias.

Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.