Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Exposalão estreia em Marrocos com Portugal Expo em Novembro

O Centro de Exposições da Batalha (Exposalão) inicia em Novembro o processo de internacionalização com a feira Portugal Expo em Marrocos, disse o seu director-geral, explicando que o certame pretende colmatar a retracção no mercado interno.

«Esta será a primeira experiência internacional do Exposalão», afirmou à Agência Lusa José Frazão, sustentando que face à quebra registada na área das feiras, situação que atribui à «conjuntura económica», houve necessidade de «procurar novos desafios».

A Portugal Expo, que decorrerá de 19 a 22 de Novembro em Casablanca, tem já inscritas 120 empresas nacionais, da construção, madeiras, mobiliário, plásticos, moldes e metalomecânica, mas o objectivo do Exposalão é levar 200 e de outras áreas de actividade, sejam fabricantes, importadores ou distribuidores.

«Há duas formas para chegar ao mercado do Magreb: uma é visitarmos, a outra é participarmos» referiu o director-geral do Exposalão, sustentando que o certame pretende ter as duas e fazer com que este seja «um mercado de grande importância» para Portugal.

José Frazão defendeu que os empresários portugueses devem olhar para os mercados que lhes estão mais próximos, mas também para os que estão em crescimento.

Segundo a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), as exportações portuguesas para Marrocos – país onde estão implantadas cerca de 250 empresas nacionais – aumentaram de 143,9 milhões de euros em 2004 para 273,2 milhões de euros em 2008.

Também em Marrocos, entre 2007 e 2008, as empresas nacionais ganharam mais de 1.000 milhões em contratos públicos e privados, de acordo com a AICEP, que apoia a Portugal Expo.

Organizado pelo Exposalão em parceria com a Agence Forum 7, entidade ligada à realização de eventos no mercado marroquino, o certame, de carácter profissional, é antecedido de uma campanha de divulgação junto dos meios de comunicação de Marrocos, bem como da colocação de “outdoors”.

A “Portugal Expo” tem ainda como parceiros a Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal e a Associação dos Industriais Portugueses de Iluminação.

Segundo José Frazão, o custo do certame de Casablanca é de 300 mil euros, embora o projecto de internacionalização do Exposalão apenas para o mercado marroquino ronde os 600 mil euros, com financiamento de um terço do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).

O projecto prevê a realização de outras feiras no próximo ano, nomeadamente no sector da construção, moldes, plásticos, indústria de transformação de madeiras e decoração.

Também em 2010, o Exposalão, criado há 17 anos na Batalha, prevê estrear-se na Arábia Saudita, revelou José Frazão.

Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.