Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Um quinto das empresas tem capitais próprios negativos

Um quinto das empresas portuguesas registam capitais próprios negativos de 9,6 mil milhões de euros, revelou o estudo «Perfil Dinâmico das Empresas Portuguesas», elaborado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), em parceria com o Ministério da Justiça, revela a Lusa.

«As conclusões do estudo são muito graves, mostrando que as nossas empresas se encontram numa situação de grande vulnerabilidade, ao dependerem excessivamente de capitais alheios, sobretudo oriundos do sistema financeiro», anunciou o presidente da ANJE, Armindo Monteiro.

Para Armindo Monteiro, «o cenário é ainda mais preocupante numa altura em que há dificuldades de acesso ao crédito, o que põe em causa a viabilidade de muitas empresas».
De acordo com as declarações de rendimentos de 2008, 43% das empresas portuguesas têm um capital social de 5.000 euros e o número ascende a 60 % para um capital social de 25.000 euros. Das 831 grandes empresas, 11% têm um capital social inferior a 100 mil euros. «São valores muito baixos para atingir volumes de negócio significativos», considerou o presidente da ANJE.

O presidente cessante da ANJE defendeu ainda a criação de incentivos para os empresários que investem os resultados nas próprias empresas e maiores apoios à criação de novas empresas.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.