Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Associações divididas quanto aos resultados das linhas de crédito

A Associação de Pequenas e Médias Empresas Portugal (APMEP) e a Associação Empresarial de Portugal (AEP) mostram-se divididas quanto aos benefícios das linhas de crédito lançadas pelo Governo. A primeira garante que este apoio devolveu liquidez às empresas, enquanto segunda afirma que são os bancos quem tira partido das linhas de apoio às empresas, revela a Rádio Renascença.

O presidente da AEP, José António Barros, mostra-se «muito satisfeito e lembra que a prova mais evidente é o caso das microempresas, cujo financiamento tem vindo a ser alargado, passando de 400 para 800 milhões».

Por outro lado, Henrique Neto, vice-presidente da Associação Industrial Portuguesa (AIP) afirmou que «os bancos são quem mais beneficia com as linhas de crédito PME», e que estes «estão a usar essas linhas de crédito como garantia para empréstimos que já tinham sido contraídos pelas empresas».

O vice-presidente adiantou ainda que «estas linhas não dão liquidez às empresas porque implicam investimento».

LE com Rádio Renascença

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.