Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Projecto da Embraer em Évora é «estratégico» e «está protegido»

O presidente da Câmara de Évora, José Ernesto Oliveira, garantiu hoje ter a «confirmação» por parte da empresa brasileira de aeronáutica Embraer de que o projecto de Évora é «estratégico» e «está protegido» contra a crise económica.

A garantia foi transmitida pelo autarca alentejano após a celebração da escritura de compra de um terreno à Fundação Eugénio de Almeida, próximo do aeródromo da cidade, onde serão construídas duas fábricas da empresa brasileira.

«Tenho obviamente receios, mas também tenho a confirmação por parte dos responsáveis da Embraer, aliás do próprio presidente, que o projecto de Évora, porque vem dar resposta a encomendas que a empresa já tem, estará, de certa forma, protegido da crise», declarou.

As fábricas da Embraer em Évora, uma de estruturas metálicas para a produção de aeronaves e outra para materiais compósitos, mais leves e mais resistentes, vão ocupar 30 hectares do futuro parque industrial aeronáutico da cidade.

Os contratos de investimento com a Embraer, aprovados pelo Governo Português em Setembro de 2008, estão avaliados em 170 milhões de euros e projectam a criação de 570 postos de trabalho.

«O alvo do comércio desta indústria processa-se à escala global e mundial e aqui já há compromissos assumidos pela Embraer com compradores que têm que ser respeitados pela empresa», afirmou José Ernesto Oliveira, salientando que o grupo brasileiro «tem dado sinais da máxima urgência» em começar a produzir.

De acordo com o cronograma citado pelo autarca, a construção das fábricas da Embraer deverá arrancar na «Primavera/Verão» deste ano para que em 2010 possa começar a laborar.

«Esperamos que em 2010 a laboração das fábricas já seja uma realidade», realçou.

Quanto aos terrenos adquiridos pela autarquia á Fundação Eugénio de Almeida para a criação do Parque de Indústria Aeronáutica, José Ernesto Oliveira disse que se trata de «um primeiro passo» para a concretização daquilo que é o projecto de instalação em Évora e dois «centros de excelência» para a fabricação de componentes para a industria aeronáutica.

«Temos já um loteamento aprovado, um conjunto de procedimentos, declaração de impacto ambiental e todos os outros instrumentos administrativos necessários para o licenciamento da instalação», assegurou.
A aquisição do terreno à Fundação Eugénio de Almeida, de 107 hectares, custa cerca de seis milhões de euros, que irão ser pagos em cinco anos.

«O próximo passo é a venda de quatro lotes, já da Câmara Municipal, à Embraer, uma vez que a planta do loteamento está aprovada», adiantou o autarca, garantindo que «o processo continua a andar normalmente».

A Assembleia Municipal de Évora já aprovou a proposta camarária de venda dos quatro lotes à Embraer a 2,76 euros o metro quadrado. O terreno adquirido pela autarquia vai ainda, segundo o autarca, possibilitar a instalação futura de outros investimentos ligados ao sector aeronáutico.

Os investimentos da Embraer em Portugal foram anunciados durante a última cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), na presença do Presidente do Brasil, Lula da Silva, e do primeiro-ministro, José Sócrates.

A Embraer é a segunda maior empresa exportadora do Brasil e, no seu sector de produção, já construiu mais de quatro mil aviões, que operam em cerca de 70 países de cinco continentes.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.