Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

UMinho desenvolve etanol a partir de resíduo de cereais

A Universidade do Minho (UMinho) está a desenvolver uma tecnologia de produção de etanol, a partir de subprodutos ou resíduos agroindustriais, como trigo, centeio, aveia, cevada e milho, revelou hoje à Lusa fonte universitária.

Sandra Carvalho, do Departamento de Engenharia Biológica da UMinho, adiantou que o etanol pode ser produzido a partir de «resíduos da agricultura e da produção de açúcar, nomeadamente da palha de cana de açúcar, bagaço de cana, melaços e ainda de resíduos provenientes da industria de papel e cervejeira».

A investigação está a ser desenvolvida pela docente, em parceria com José Teixeira, investigador do mesmo departamento e de Inês Conceição Roberto, investigadora da Universidade de São Paulo, Brasil.

Sandra Carvalho adiantou que o etanol pode também ser obtido a partir de biomassa linho-celulósica. «Em termos industriais podem ser produzidos dois tipos de etanol, o hidratado – com 4% de água – e o anidro, isento de água», disse.

A investigadora salientou, no entanto, que o aproveitamento de resíduos ou subprodutos exclui a necessidade de ocupar terrenos para produção de biocombustíveis.

«A tecnologia emergente é ambientalmente limpa e permite a redução das emissões gasosas», frisou. O estudo – sublinhou Sandra Carvalho – «está a ser feito a partir de um balanço mássico que utiliza como matéria-prima resíduos da produção agrícola de cereais em Portugal».

A docente sustentou que a possibilidade de se recorrer a vários tipos de resíduos, «torna esta tecnologia muito atractiva, apesar de não existir ainda em Portugal nenhuma unidade de produção industrial». Sandra Carvalho referiu que o etanol hidratado é utilizado para mover veículos a álcool e veículos «flex fuel».

O etanol anidro é usado, segundo revelou, como oxigenante da gasolina, em alternativa a aditivos altamente poluentes, como o chumbo tetraetil e o MTBE, oriundos do petróleo.

Sandra Carvalho disse ainda que com o aumento dos problemas ambientais e do efeito de estufa a União Europeia publicou directivas que prevêem uma meta de oxigenação dos combustíveis de 2% em peso, até 2005, e de 5,75%, até 2010. Até 2020 a percentagem subirá para 10%.

No seu estudo, Sandra Carvalho estima que cada tonelada de cana-de-açúcar, cultivada para a fabricação de álcool hidratado e álcool anidro combustível, economiza, respectivamente, a emissão de 0,17 toneladas e 0,25 toneladas de CO2 (dióxido de carbono), um dos gases responsáveis pelo efeito estufa).

A investigadora sustenta também que «o projecto prevê a produção de 158.834 toneladas de etanol hidratado (4% água), a partir de 396.599 toneladas de resíduos agrícolas, o que, atendendo ao preço equivalente praticado no Brasil para etanol hidratado, representa 897 milhões de euros por ano. Para a equipa de investigadores luso- brasileira, a rentabilidade deste processo está em fase de estudo, dependendo do volume produzido.

«Como se pode confirmar com o exemplo de outros países, é possível», asseguram. O passo seguinte, referem os investigadores, passa pela procura de empresas que queiram implementar parcerias. «A utilização dos biocombustíveis, no futuro, é inevitável», sustentam.

Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.