Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Investimento de 2,5 milhões reposiciona Vipex na indústria de precisão

Célia Marques

A Vipex, empresa do sector dos plásticos sedeada na Marinha Grande, vai investir 2,5 milhões de euros na ampliação das instalações, aquisição de equipamentos e formação. O objectivo passa «por reposicionar a empresa na indústria de precisão, preparando-a para uma maior complexidade da injecção», explicou Jorge Santos, director-geral da empresa, ao Leiria Económica.

O projecto pressupõe a contratação de mais 30 a 40 pessoas até 2010, um investimento de meio milhão de euros na ampliação das instalações e de dois milhões de euros na aquisição de novos equipamentos de injecção e de medição. Em causa está ainda a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade ISO TS 16949, «obrigatória na indústria automóvel, mas que trará uma metodologia que poderemos utilizar também noutras indústrias», adiantou.

O investimento contempla ainda formação e melhoria das competências dos recursos humanos, um projecto que recebeu aprovação do QREN, e que prevê acções de formação em áreas como Dinamização de Equipas, Gestão de Qualidade Ambiente e Segurança, e Francês.

Oportunidades na indústria automóvel

Com este investimento, a Vipex ficará apta a fazer «injecção e montagem de peças com precisão», o que permite «acompanhar os clientes das indústrias electrónica e de electrodomésticos nos projectos com maior nível de exigência, e alargar a prospecção de novos clientes a outras indústrias, como a automóvel», afirmou o responsável.

«Encontramos oportunidades de crescimento na área da electrónica e dos electrodomésticos e de entrada na indústria automóvel. Podemos chegar à aeronáutica e, eventualmente, à área médica. Temos de arriscar no reposicionamento, subir de nível», justificou.

A Vipex começou por produzir máquinas de café, uma produção que, segundo Jorge Santos, tem vindo a ser transferida para a Ásia. «Já prevíamos que acontecesse, mas a desvalorização do dólar acelerou o processo. Agora em vez de máquinas de café convencionais poderemos fazer, por exemplo, máquinas de café expresso», explicou.

«A turbulência deixa-nos apreensivos e a Europa não está a reagir a esta crise. O Banco Central Europeu está muito agarrado à inflação, e não vai conseguir controlá-la se continuar a subir as taxas de juro, um movimento que está a ter graves problemas colaterais na economia europeia, nomeadamente na nossa, porque estamos muito endividados», adverte.

Facturação deverá crescer para 13 milhões em 2010

A Vipex viu a facturação quadruplicar nos últimos sete anos. Em 2007 ascendeu aos 8 milhões de euros, e em 2010 deverá subir para 13 milhões de euros.

A empresa exporta 75% da produção, tendo como principais mercados Espanha, França e, embora em menor proporção, a Alemanha, resultado da proximidade aos países de Leste.

O projecto de investimento foi submetido ao QREN, estando a aguardar aprovação. Jorge Santos destaca a celeridade da Câmara Municipal da Marinha Grande na aprovação do projecto de ampliação da fábrica: três meses.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.