Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Volume de vendas das 250 maiores empresas de Leiria cresceu 16,9%

Célia Marques

(Artigo publicado na Revista 250 Maiores Empresas do Distrito de Leiria, editada pelo Jornal de Leiria, distribuída com a edição de 22/11/2007 do semanário e de 24/11/2007 do Público)

O ano de 2006 revela uma melhoria da performance vendedora das 250 maiores empresas do distrito de Leiria, contrariando a tendência do ano anterior. Recuperação também para o emprego, embora com reflexos negativos no custo médio por colaborador.

Em 2006, as 250 Maiores Empresas do distrito de Leiria geraram quatro mil milhões de euros de vendas, mais 16,9% do que no ano anterior, o que compara com a subida de apenas 2,1% que se registou de 2004 para 2005.

Os resultados líquidos das 243 empresas que disponibilizaram essa informação somam 120,5 milhões de euros, enquanto o VAB de 244 empresas apuradas ascendeu a 837 milhões de euros. As sete maiores empresas em volume de vendas somam um VAB de 222,6 milhões de euros, o que representa 26,6& do VAB total e uma subida de 33,9% face ao valor apresentado pelas sete maiores de 2005.

Em 2006, 95 empresas viram o seu volume de vendas descer, o que, compara com 85 descidas no ano anterior. Em média, o volume de vendas das empresas que registam performance negativa caiu 5,8%, enquanto o das empresas que apresentam um comportamento positivo cresceu 18%.

Quanto ao volume de vendas gerado pelas dez maiores empresas, ascendeu a 791,7milhões de euros – mais 17,6% do que em 2005 – enquanto o seu peso no total de vendas se mantinha nos 19,7%.

No que respeita à empregabilidade, o ranking regista um subida de 2,9%, para os 24.581 colaboradores, uma leve recuperação do recuo de 7,2% registado no exercício anterior. Também a produtividade média por colaborador regista uma melhoria, desta feita de 9,6% para os 157 mil euros/ano.

Os custos com o pessoal das 243 empresas que forneceram essa informação somam 441,4 milhões de euros, o que perfaz uma custo médio anual por trabalhador de 18,5 mil euros ano, menos 4,37% relativamente ao custo médio registado no ano anterior.

Em 2006 as dez maiores empresas deram emprego a 3872 pessoas (15,75% do total, em idêntica proporção face ao ano anterior), mais 17,37% face aos 3299 colaboradores registados em 2005. Os custos com pessoal destas empresas somaram 109,4 milhões de euros, o que representa 24,8% do total das empresas do ranking e um custo médio anual por colaborador de 28,3 mil euros, claramente acima da média apurada de 18,5 mil euros.

Top 3 permanece inalterado

No topo do ranking, a Lena Engenharia e Construções mantém o lugar cimeiro há três anos consecutivos. Manter é palavra de ordem também para a CMP – Cimentos Maceira e Pataias e para a Roca, que se fixam na segunda e terceira posições, respectivamente, à semelhança do ano anterior. Em quarto lugar surge a Thomaz dos Santos (5º em 2005), retirando lugar à Gallovidro que desceu para sétimo.

Quanto ao quinto lugar, é agora ocupado pela Movicortes que subiu de sétimo, seguindo-se o Hospital de Santo André que mantém a sexta posição. A La Redoute mantém também o oitavo lugar, enquanto a Auto Júlio e a Suinicomércio se estreiam no top ten, em nono e décimo lugares respectivamente, e subindo dos 13º e 12º que ocupavam em 2005.

Na distribuição por sectores de actividade a indústria assume posição de destaque, ao representar mais de 42% das empresas, 46,22% do total de vendas e 53,53% da empregabilidade das 250 maiores empresas. A indústria da construção civil e obras públicas representa, por si só, 14,68% do total de vendas e 11,21% da empregabilidade.

Quanto ao comércio por grosso e a retalho, representam 44% das empresas que marcam presença no ranking, 24% do total de colaboradores e geram 40,80% do volume de vendas. Com menor relevância surgem os sectores primário e extractivo e os serviços: 6,97% e 16,7% da empregabilidade e 7,89 e 5,08% das vendas, respectivamente.

Vendas crescem 28,44% no concelho de Leiria

Dos quatro concelhos com maior volume de vendas no distrito – Leiria (47,2%), Marinha Grande (9,1%), Pombal (10,8%) e Caldas da Rainha (8,4%) – destaque para Leiria, que foi responsável por um volume de vendas de 1889 milhões de euros, registando uma subida de 28,44% face ao ano anterior, num movimento de recuperação da queda de 16% verificada em 2005.

Também a Marinha Grande viu o volume de vendas das suas empresas crescer, desta feita 17,1% para 365,9 milhões de euros. Quanto às empresas de Pombal, venderam, em 2006, 431,1 milhões de euros, ou seja mais 23,2% do que no ano anterior. A mesma tendência regista Caldas da Rainha, que apresenta uma subida de 13,11%, para os 338,1 milhões de euros.

Quanto à empregabilidade, cresceu 18,56% em Leiria, 2,8% na Marinha Grande e 5,39% em Pombal, enquanto o concelho das Caldas da Rainha regista um recuo de 13,60%.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.