Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Braga de Macedo alerta para abrandamento económico de Angola

O abrandamento da economia angolana será negativo para as exportações portuguesas, considerou hoje o economista Braga de Macedo, após previsões da OCDE que apontam para uma queda de quinze pontos percentuais no crescimento angolano em 2009 relativamente a 2007.

«Os efeitos do abrandamento da economia angolana terão um impacto indiscutivelmente negativo para Portugal», disse à agência Lusa ex-ministro das Finanças português e professor de economia, que adiantou no entanto que «se a economia angolana continuar a crescer e a aumentar as importações de forma sustentável, isso contribui para criar uma relação mais estável com Portugal».

Braga de Macedo relativizou, no entanto, a importância da queda no crescimento da economia angolana, lembrando que «o crescimento económico de dois dígitos é apesar de tudo a excepção à regra a nível mundial».

A falta de investimento no sector da extracção petrolífera é o maior travão ao crescimento económico angolano e explica as estimativas da OCDE e do BAD, segundo Braga de Macedo, que liderou até 2004 o Centro de Desenvolvimento da OCDE e preside agora ao Instituto de Investigação Científica e Tropical, responsável pela apresentação de traduções portuguesas das primeiras edições deste relatório.

O petróleo representa 60% do produto interno bruto (PIB) de Angola e 95% das exportações do país.

«A especificidade de Angola, é a de que acaba por desprezar o investimento noutros sectores da exportação…. Angola especializou-se mais do que seria desejável para a sua população», disse Braga de Macedo.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.