Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

O negócio dos cogumelos

André Guerra

A mycosNature surgiu para dar corpo ao projecto Cogumelos de Alcobaça, premiado em diversas iniciativas ligadas ao empreendedorismo e inovação. Em causa está a produção e comercialização de “sementes de cogumelos” e kits que permitem ao consumidor ter uma pequena produção em casa. João Inácio, o mentor do projecto, acredita na «mística» do produto e no potencial de mercado que representa. Os cogumelos exóticos são os senhores que se seguem.

A ideia surgiu em Oslo, num encontro científico sobre biologia dos fungos, na altura em que João Inácio concluía o doutoramento em biologia/microbiologia. Em conversa com produtores italianos, percebeu que a produção de cogumelos tinha mais do que interesse científico, podendo transformar-se num negócio de sucesso.

A aceitação que o projecto foi tendo ao longo dos anos deu confiança aos fundadores no sentido de continuarem a aposta. O crescente aumento do consumo de cogumelos reforça a convicção. João Inácio fala ainda da «mística do produto», que considera suscitar o interesse mesmo dos que não são apreciadores.

Volvidos cinco anos, avançam com empresarialização do conceito, constituindo a mycosNature, vocacionada para a produção e comercialização de sementes dos cogumelos, kits de produção, cogumelos frescos e investigação e desenvolvimento na área, tendo instalado um laboratório de I&D no INOVISA, no campus do Instituto Superior de Agronomia em Lisboa. A empresa aposta ainda numa componente de prestação de serviços de consultoria em microbiologia aplicada, bem como na organização de cursos de formação.

Produzir cogumelos em casa

O primeiro produto da mycosNature é um kit de produção de “Pleurotus ostreatus” – um cogumelo comum nas florestas portuguesas, «muito apreciado na gastronomia e com propriedades medicinais» – que permitirá a qualquer pessoa fazer produção em casa. «Apesar deste tipo de kits ser comum noutros países, em Portugal apenas existe outra empresa que se dedica à comercialização do mesmo produto, o que abre boas perspectivas de vendas», explica João Inácio, advertindo para algumas «novidades na embalagem».

A empresa prevê trabalhar em novos tipos de cogumelos, também para venda em kit. O objectivo passa por diversificar as espécies produzidas neste formato, bem como intensificar a sua divulgação e comercialização, explica João Inácio. Numa fase posterior, apostará na produção e comercialização de cogumelos exóticos. A comercialização dos produtos será assegura por parcerias com centros de jardinagem.

O principal desafio prende-se com o vencer de «alguma desconfiança em relação ao produto, resultado de notícias de envenenamentos que muitas vezes surgem na imprensa», o que justifica a prioridade em divulgar a segurança, propriedades nutricionais e até medicinais, para algumas espécies, do produto em causa.

A mycosNature é constituída pelos fundadores João Inácio e a esposa Sónia Inácio, que se ocupa da parte do marketing e vendas. No segundo semestre a estrutura deverá crescer, resultado da contratação de três colaboradores para a área de produção e distribuição dos kits.

O projecto Cogumelos de Alcobaça conquistou, em 2003, o Prémio de Bioempreendedor, atribuído pela Associação Portuguesa de Bioindústrias e pelo Instituto de Comércio Externo Português (ICEP) e, em 2004, o Prémio Inova Leiria, na categoria de Ideia Inovadora. No ano de 2005, o projecto figurou entre os cinco melhores no Concurso Nacional de Empreendedorismo (CNE), promovido pela Caixa geral de Depósitos e a Universidade de Lisboa.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.