Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Tribunal de Contas chumba empréstimo de 1,5 milhões a Ansião

O Tribunal de Contas chumbou um empréstimo de 1,5 milhões de euros à Câmara de Ansião, por considerar que «consubstancia uma consolidação de passivos (…) aumentando indiscutivelmente o grau de endividamento líquido da autarquia», cita a agência Lusa.

A Câmara de Ansião submeteu à fiscalização prévia do Tribunal de Contas um contrato de abertura de crédito celebrado com o Banco Espírito Santo para um montante máximo de 1.500.000 euros, pelo prazo global de 15 anos, destinado a financiar 21 projectos de investimento.

Segundo a autarquia, o empréstimo destinava-se a pagar dívidas a fornecedores decorrentes de obras, mas o valor assinalado como estando ainda em dívida em cada um dos investimentos é, em alguns casos, inferior ao consignado no empréstimo, segundo o acórdão de 4 de Dezembro do Tribunal de Contas (TC).

O município invoca que o empréstimo não aumenta o endividamento líquido e que as obras a liquidar com o produto do empréstimo estão executadas, transferindo a dívida a fornecedores/empreiteiros para dívida à banca.

A autarquia conclui, assim, ser possível contrair o empréstimo, «não obstante a ausência de saldo de endividamento líquido». Mas o Tribunal de Contas diz que não e explica porquê: «um empréstimo, ou parte dele, ou se destina a financiar investimentos ou se destina a consolidar passivos, não podendo considerar-se as duas modalidades em simultâneo».

A consolidação de passivos é feita no âmbito de empréstimos para saneamento ou reequilíbrio financeiro, consoante a situação da autarquia, «não correspondendo a modalidade adoptada no caso a nenhuma dessas hipóteses», conclui o TC.

As dívidas contraídas durante o ano em curso, como sucede relativamente à facturação realizada em 2007 «consubstanciam dívida de curto prazo que, por não ter sido satisfeita com recurso às receitas orçamentais do ano, se traduz num aumento do endividamento líquido do município», lê-se no documento.

Os juízes acrescentam ainda que o financiamento bancário dos encargos ainda não vencidos no âmbito dos investimentos ainda em curso, como sucede em alguns casos referidos pela câmara, «não corresponde ao pagamento de passivos, aumentando indiscutivelmente o grau de endividamento da autarquia» e por isso a contratação deste empréstimo viola as normas legais de natureza financeira aplicadas aos municípios, determina o acórdão.

A análise do TC conclui que os dados fornecidos apontam para uma situação de desequilíbrio financeiro estrutural e para que, no final do presente ano, o município mantenha um «significativo excesso de endividamento líquido, podendo mesmo não cumprir a obrigação de redução imposta», o que consubstanciaria «uma eventual infracção agravada».

A Câmara de Ansião excedeu os limites de endividamento líquido em 2006, sofrendo este ano a retenção de fundos do Orçamento de Estado e o TC apurou que o máximo de endividamento líquido permitido para 2007 seria de 7.326.814,95 euros.

A autarquia iniciou o ano de 2007 com um endividamento líquido de 13.240.342,34 euros e declarou em 19 de Outubro um saldo de 13.503.293,31 euros.

Os dados orçamentais e contabilísticos do processo evidenciam um total de dívida a fornecedores de mais de 10 milhões de euros, o que «corresponde a perto de 100 por cento da receita total de 2006», que foi de 10.863.400,73 euros, indica o tribunal.

Os juízes decidiram recusar o visto a este contrato e determinar ao município que até 15 de Janeiro remeta à 1ª Secção do TC a informação necessária ao apuramento do endividamento líquido em 31 de Dezembro de 2007, para ser avaliada eventual responsabilidade financeira.

Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.